Clique e assine a partir de 9,90/mês

Os mais velhos não usam presentes tecnológicos porque não conseguem

É a constatação de levantamento que apontou que mais de um terço dos idosos não sabe configurar os aparelhos que ganham de amigos e familiares

Por Sabrina Brito - 26 dez 2019, 18h14

Uma pesquisa deste ano, encomendada pela empresa russa de cibersegurança Kaspersky, revelou que comprar presentes tecnológicos para pessoas mais velhas pode ser dinheiro jogado no lixo. De acordo com o levantamento, uma parte significativa dos idosos não costuma usar esse tipo de presente porque não sabe configurá-lo.

O estudo foi feito por meio de um questionário online com 11 mil pessoas de 13 nacionalidades diferentes, incluindo britânicos, espanhóis, japoneses e norte-americanos. Os participantes eram todos maiores de 17 anos.

A pesquisa revelou que mais de um terço dos participantes idosos revelou ter levado mais de um mês para configurar um presente tecnológico, devido à falta de conhecimento sobre o assunto. Além disso, acima de um terço dos participantes com mais de 55 anos de idade afirmou ter dificuldade com a tecnologia no dia a dia, quando não contam com a ajuda dos filhos ou de netos.

Sem o auxílio das gerações jovens, não conseguem usufruir do eletrônico que receberam. Por isso, 30% dos millenials (jovens nascidos entre 1981 e 1996) contou que evita comprar agrados tecnológicos para esses parentes, já que a configuração do aparelho, no fim, ficará a encargo deles próprios.

Continua após a publicidade

Aproximadamente 20% dos idosos ouvidos disse que, inclusive, pagaria por auxílio em relação a como aproveitar bem os aparelhos eletrônicos. Aliás, 15% relatou que já desembolsou algo para pagar uma recompensa a algum membro da família que o ajudou com a tarefa.

Ainda de acordo com o relatório, 64% dos millenials já deu uma mãozinha para um parente mais velho, com algum tipo de dica tecnológica. Além disso, 55% desses jovens relataram se sentirem obrigados a prestar esse tipo de apoio a familiares. Por causa desse senso de obrigação, um quarto dos millenials contou que evita conversar com parentes caso ache que será indagado sobre tecnologia.

Publicidade