Clique e assine a partir de 8,90/mês

Novo Megaupload será ‘gratuito’ e ‘legal’, diz fundador

Kim Dotcom criou conta no Facebook para serviço, programado para 20/1

Por Da Redação - 29 out 2012, 04h43

O fundador do site Megaupload, Kim Dotcom, afirmou nesta segunda-feira que seu novo projeto na internet, chamado Megabox, será “fácil” de utilizar, “gratuito” e “legal”. Em liberdade condicional na Nova Zelândia à espera do início do julgamento sobre sua extradição aos Estados Unidos – que o acusam de pirataria informática e outros delitos – Dotcom criou uma conta no Facebook para seu novo portal.

Leia mais:

Novo Megaupload será lançado em janeiro de 2013

“Aqui está o novo Megabox com espaço ilimitado para sua música” anunciou Dotcom no Facebook, com a promessa de que o novo serviço será “de graça, fácil e legal”. Na sexta-feira passada, ele anunciou no Twitter o lançamento do “novo Mega” em 20 de janeiro de 2013, justamente quando se completa o aniversário da batida em sua residência que terminou com sua detenção por pirataria.

O próprio Dotcom também publicou uma foto aérea de sua mansão em Auckland, onde foi detido junto com outros três empresários do Megaupload em 20 de janeiro desse ano, na operação que também incluiu detenções na Europa, o fechamento do portal, o confisco de seus bens e o congelamento de suas contas.

Leia também:

Site Megaupload sai do ar após denúncias de pirataria

Continua após a publicidade

Em defesa do Megaupload, Anonymous reivindica seu maior ataque

Programador do Megaupload é libertado na Nova Zelândia

Ameaça – O lançamento do Megabox, no entanto, poderia pôr em perigo a liberdade condicional de Dotcom ou poderia abrir a porta para que ele seja acusado de novo, informou o portal Computerworld New Zealand, ao citar documentos judiciais apresentados na semana passada pelo Departamento de Justiça americano.

Dotcom assegurou em uma declaração jurada na Nova Zelândia que não tinha previsto relançar o Megaupload ou serviços similares até que o processo judicial contra si fosse resolvido. Após assegurar que seu cliente é inocente, seu advogado nos EUA, Ira Rothken, considerou que, aparentemente e pela segunda vez, os EUA estão atacando uma nova tecnologia antes de investigá-la completamente.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade