Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mulher é sentenciada a um ano em campo de trabalho por conta de um tuíte

Cheng Jianping retuitou uma piada e foi levada pela polícia no dia do casamento

Por Da Redação 18 nov 2010, 20h35

A organização não governamental Anistia Internacional pediu nesta quarta-feira à China que solte a ativista de direitos humanos Cheng Jianping, presa por “perturbação da ordem social” devido a uma mensagem publicada no Twitter. A chinesa desapareceu no dia do seu casamento e só depois seus parentes souberam que ela tinha sido presa e sentenciada, por policiais, a “reeducação através do trabalho” por um ano.

A mensagem que motivou a prisão foi retuitada por Cheng no dia 17 de outubro. O post original foi feito pelo noivo, Hua Chunhui. Era um comentário satírico zombando jovens manifestantes nacionalistas que, devido a uma disputa com o Japão sobre ilhas desabitadas no Mar da China Oriental, quebraram produtos japoneses em protesto.

A mensagem original dizia: “manifestações anti japonesas, quebrar produtos japoneses – tudo foi feito anos atrás por Guo Quan [ativista chinês de direitos humanos]. Não é novidade. Se querem deixar as coisas mais interessantes, podem ir a Xangai para esmagar o pavilhão de exposições japonês.” Cheng acrescentou “Juventude raivosa, avante!” O tuíte foi republicado por outras três pessoas.

De acordo com a BBC, Cheng foi enviada ao Acampamento de Mulheres do Rio Shibali, um campo de trabalho próximo da cidade de Zhengzhou, na província de Henan. Hua não foi preso.

“Sentenciar alguém a um ano em um campo de trabalho, sem julgamento, simplesmente por repetir uma observação, claramente satírica, feita por outra pessoa no Twitter demonstra o nível de repressão na China,” disse Sam Zarifi, Diretor da Anistia Internacional na Ásia. A organização estipula que Cheng é a primeira cidadã chinesa a ser prisioneira de opinião por um tuíte.

Apesar do Twitter ser banido na China, muitas pessoas contornam os controles de internet para usar a rede social.

“Reeducação através do trabalho” é uma punição administrativa que pode privar um indivíduo da sua liberdade por até quatro anos. A decisão é feita pela polícia sem passar pelo julgamento de um tribunal independente.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês