Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Mesmo com embargo americano, Huawei tem crescimento financeiro em 2019

No total, comparando com 2018, a também fabricante de smartphones conseguiu 19% de aumento nas vendas

Por Da Redação Atualizado em 1 abr 2020, 14h38 - Publicado em 1 abr 2020, 12h20

A Huawei divulgou, nesta terça-feira, 31, o balanço financeiro oficial de 2019, com crescimento nas receitas e bons resultados em todas as áreas de atuação da companhia. Houve aumento tanto na área de redes de internet, quanto nos setores corporativo e de consumíveis. No total, comparando com 2018, somou 22,4% mais dinheiro em caixa, com 19,1% de alta nas vendas.

“Trabalhamos muito para ganhar o respeito e confiança dos consumidores e de nossos parceiros. Os negócios continuam sólidos”, disse o presidente rotativo da companhia, Eric Xu. A empresa conseguiu apresentar bons resultados apesar do embargo imposto pelos Estados Unidos desde maio do ano passado.

ASSINE VEJA

Coronavírus: a salvação pela ciência
Coronavírus: a salvação pela ciência Enquanto os melhores laboratórios do mundo entram em uma luta bilionária contra a doença, países trazem experiências bem-sucedidas para que a vida e a economia voltem à normalidade
Clique e Assine

Segundo dados da Strategy Analytics, no entanto, as vendas caíram a partir de novembro. No total, a empresa chinesa somou CNY 858,8 bilhões (equivalente a R$ 630,5 bilhões) em vendas, aumento de 19% em relação ao ano anterior. O lucro líquido ficou em CNY 62,7 bilhões (R$ 46 bilhões), enquanto o fluxo de caixa alcançou CNY 91,4 bilhões (R$ 67 bilhões).

No setor de smartphones, onde a empresa compete diretamente com gigantes como Samsung e Apple, os aparelhos da Huawei conseguiram manter as venda com um total de 240 milhões de smartphones produzidos ao longo do ano. Uma das justificativa é que ainda mantem compatibilidade com o Android, de propriedade da Google, ainda que não possa mais usar seus apps.

E, apesar das sanções do governo de Donald Trump à empresa, que colocaram em risco os laços da chinesa com as companhias de tecnologia americanas, é primordial para a companhia desenvolver um sistema operacional próprio, o  HarmonyOS, para substituir o Android, caso necessário.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade