Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Menção no caso Marielle eleva para 86% os posts negativos sobre Bolsonaro

Ação de hashtags de apoio ao presidente não surtiram efeito, ante os comentários desfavoráveis, segundo levantamento publicado com exclusividade

Por André Lopes Atualizado em 30 out 2019, 17h36 - Publicado em 30 out 2019, 16h42

Na noite de terça-feira 29, o Jornal Nacional revelou que a Polícia Civil do Rio de Janeiro encontrou, no caderno de visitas do condomínio onde tem casa o presidente Jair Bolsonaro, o registro na data de 14 março de 2018, horas antes do assassinato da vereadora Marielle Franco, mostrando que o ex-PM Élcio Queiroz, suspeito do crime, havia dito que visitaria Bolsonaro e acabou indo até a casa de outro suspeito, o ex-policial militar Ronnie Lessa. A notícia reverberou tanto que, mesmo estando em viagem aos Emirados Árabes, o presidente iniciou uma live no Facebook para se posicionar. A transmissão, na qual apareceu extremamente irritado, se tornou outro elemento, e as redes sociais foram inundadas com comentários acerca do assunto.

Para avaliar a repercussão dos últimos eventos na imagem de Bolsonaro, VEJA pediu à Sprinklr, que detém uma plataforma de gestão de canais digitais, um levantamento sobre, digamos assim, o humor das menções feitas a Bolsonaro no Twitter. A análise, realizada com exclusividade, contabilizou os posts feitos das 21h de terça-feira (quando foi ao ar a reportagem do JN), às 13h desta quarta-feira (30). Portanto, ainda não se contempla o efeito da repercussão da reviravolta que indica que o porteiro do condomínio de Bolsonaro pode ter mentido em seu depoimento.

  • No total, foram 1,2 milhões de postagens citando Bolsonaro. No chamado “alcance”, a medida que afere quantas vezes os perfis no Twitter tiveram contato com posts sobre Bolsonaro, obteve-se o número de 5,8 bilhões.

    Em meio a esses grandes números, o teor do conteúdo foi tido como de quase consenso: 86% dos tuítes tratavam o tema de forma negativa, em relação à imagem do presidente. Ainda que quatro hashtags favoráveis a Jair Bolsonaro tenham atingido os assuntos mais comentados do Twitter, a manobra não foi o suficiente para equilibrar o cenário desfavorável.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade