Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

iTunes Store, a loja virtual da Apple, completa 10 anos

Lançado em 2003, serviço revolucionou a distribuição de conteúdo digital

Por James Della Valle 28 abr 2013, 11h53

Há 10 anos, a Apple tomou uma iniciativa que mudou a indústria musical no mundo: lançou a iTunes Music Store. Apresentado no dia 28 de abril de 2003 por Steve Jobs, o fundador da Apple, o serviço surgiu como um complemento para os dispositivos da linha iPod. A combinação entre os dois produtos abriu novas oportunidades para o mercado e criou um padrão que é seguido até hoje também pelos rivais da companhia.

Leia também:

Música no atacado

Para CEO da Deezer, comprar MP3 é hábito em extinção

Fã dos Beatles, Steve Jobs revolucionou o negócio da música

iTunes estreia no Brasil com Ivete Sangalo e Roberto Carlos

Continua após a publicidade

A ideia da loja era oferecer uma alternativa legal aos serviços piratas de compartilhamento de músicas, que então vicejavam na rede. A iTunes Music Store, que mais tarde ficou conhecida apenas como iTunes Store, oferecia na estreia 200.000 fonogramas, vendidos a 0,99 dólar cada.

A princípio, o modelo de negócios não entusiasmou as gravadoras, uma vez que elas deixavam de vender os álbuns completos. Mas o sucesso da loja virtual mudou rapidamente a disposição dessas empresas. Quatro meses após o lançamento do serviço, mais de 10 milhões de músicas haviam sido baixadas pelos usuários, o que garantiu o investimento em uma versão do iTunes para a plataforma Windows (antes ele só estava disponível para Macs), garantindo sua expansão para um público bem maior. A Apple logo começou a investir também em programas de televisão, filmes e livros. Mas foram os aplicativos, que chegaram junto com os primeiros modelos de iPhone, que marcaram uma nova fase da loja. Apenas três dias após seu lançamento, em 2008, a área contabilizava mais de 10 milhões de downloads.

Futuro no streaming – No começo de 2013, a empresa informou que 25 bilhões de músicas foram vendidas pela iTunes Store desde o seu lançamento. Mas, dez anos depois de mudar o mercado da música, a Apple estuda uma nova guinada, desta vez, para se adaptar a novos hábitos, já explorados por rivais como Netflix e Spotify: ter seu próprio serviço de streaming de vídeo e música. O novo serviço não deve tardar, ajudando a iTunes Store a manter a pujança que mostra na área de aplicativos, que já conta com 40 bilhões de programas baixados desde 2008, entre pagos e gratuitos.

Leia mais

Apple fecha acordo de música por streaming com EMI e Warner

Estúdios resistem a serviço da Apple de TV por streaming

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês