Clique e assine a partir de 9,90/mês

Indústria dos games aprende o português

De olho num mercado em expansão, gigantes do setor lançam produtos totalmente vertidos para a língua portuguesa

Por Renata Honorato - 1 abr 2011, 23h34

Gigantes da indústria dos games estão decididos a falar a língua portuguesa. A Nintendo lança este semestre seu primeiro aparelho com menus e funcionalidades em português do Brasil, o portátil 3DS, e promete verter também a página de sua loja online, a Nintendo eShop. A Sony apresentou em fevereiro seu primeiro jogo para PS3 totalmente traduzido, o Killzone 3, e lança ainda este ano um segundo título de peso, o inFamous 2. E a Microsoft, que já experimentara a prática de verter títulos importantes em 2007, reforça a estratégia com o lançamento em setembro de Gears of War 3 todo legendado.

Galeria de fotos: confira as apostas da indústria de games para 2011

Videogame deixou há muito de ser brinquedo de crianças e adolescentes. Em muitos lares, o eletrônico faz as vezes de plataforma multimídia para a reprodução de filmes e músicas. Com isso, a indústria passou a atingir perfis com pouca familiaridade – e eventualmente nenhuma paciência – com o jargão dos games, todo em inglês. É esta plateia que os gigantes do ramo querem mimar. “O videogame saiu do quarto e foi para a sala”, resume Guilherme Camargo, gerente de marketing para o Xbox 360 na Microsoft Brasil. “No formato de uma central de entretenimento, ele atinge outro tipo de público: a mãe, o pai, os avós etc.”

A tradução de games também é vista como estratégia para aumentar a adesão da classe B e atingir a emergente classe C. No Brasil, os consoles de videogame ainda são artigo de luxo: estão presente em 90% dos lares na classe A, mas em apenas 60% das casas na B e 24% na C, conforme pesquisa NC Games, a maior distribuidora de jogos da América Latina.

Continua após a publicidade
Tela em inglês do jogo Halo: Reach, da Microsoft. Versão em português evita a a tradução apressada de 'party' por 'festa'. No contexto do jogo, o termo se traduz por 'grupo'.
Tela em inglês do jogo Halo: Reach, da Microsoft. Versão em português evita a a tradução apressada de ‘party’ por ‘festa’. No contexto do jogo, o termo se traduz por ‘grupo’. VEJA

Há, é claro, a barreira econômica. Consoles são vendidos no Brasil a um preço até quatro vezes acima do praticado nos Estados Unidos, o que as empresas atribuem à pesada carga tributária. O americano paga 284.99 dólares (cerca de 460 reais) pelo PlayStation 3 160 GB, e o brasileiro, 1.999 reais. O Kinect sai nos EUA por 150 dólares (241 reais) e aqui por 600 reais. O Xbox 360 250GB está à venda lá fora por 299.99 dólares (483 reais), e aqui, 1.899 reais (com direito a dois jogos).

Experiência plena – Além de conquistar um público maior, falar a língua local é também uma maneira de reforçar os laços com os aficionados. É certo que nenhum gamer tropeça em termos como ‘game over’, ‘score’ ou ‘fatality’. Mas só a fluência no idioma permite vivenciar plenamente games com roteiros cada vez mais elaborados e fases que podem tomar dias e a até semanas do jogador.

“Mesmo quem tem um bom inglês acaba deixando algo escapar”, diz Anderson Gracias, gerente da Divisão Playstation na Sony Brasil, cujas operações começaram em 2010. “O vocabulário de um jogo de guerra, por exemplo, é muito específico.” Gracias conta que o retorno obtido por KillZone 3, recém-lançado em português, é animador. “Algumas pessoas que já tinham jogado outros games da franquia em inglês me falaram que só agora conseguiram entender a história”.

PT-BR

Continua após a publicidade

Os próximos lançamentos em português

  • Gears of War 3 X360
  • inFamous 2 PS3
  • Mortal Kombat PS3, Xbox 360
  • Lanterna Verde X360, Wii, PS3, 3DS e NDS
  • The Sims Vida ao Ar Livre PC

Mais vendidos – “Localização” é o jargão da indústria para a estratégia de adaptar um produto para o idioma ou a cultura local. Requer investimento e exige confiança no mercado. Bertrand Chaverot, diretor da produtora francesa Ubisoft, presente no Brasil desde 2008, explica que a tática exige escala. “Um game traduzido vende 30% a mais do que um jogo em inglês”, calcula. “Para ser adaptado para outro idioma, precisa vender pelo menos 20.000 ou 30.000 unidades.”

A empresa filipina Level Up!, que distribui jogos online, faz estimativas bem mais otimistas. “A adaptação de um jogo aumenta em até dez vezes o nosso número de assinantes”, diz Júlio Vieitez, diretor da multinacional no Brasil. Em março deste ano a empresa lançou uma versão do game Allods Online com as vozes do músico João Gordo, do comediante Leandro Hassum e da apresentadora Pietra Príncipe.

A Microsoft foi a primeira no Brasil a sentir no bolso a boa recepção de um jogo vertido para o português. Em 2007, a multinacional lançou para Xbox 360 o game Halo 3, totalmente adaptado. O sucesso fez com que os demais jogos da série (ODST e Reach) também ganhassem traduções, que também se tornaram os títulos mais vendidos da companhia no país. Foi com base nesses resultados que a Microsoft decidiu verter mais três jogos, o Viva Piñata, o Viva Piñata Party Animals e o Joy Ride, para Kinect, o carro-chefe da empresa, lançado em novembro de 2010.

Continua após a publicidade

Mercado – A indústria de games segue no Brasil o caminho já percorrido com sucesso em outros países na América Latina (México), Europa (Alemanha e Suécia) e Ásia (Coreia do Sul e China). Em todas essas regiões, as versões de games contribuíram para o crescimento do mercado local. Para efeito de comparação: o México, com uma população quase duas vezes menor, tem hoje um mercado de games três vezes maior que o brasileiro. Diz Claudio Macedo, presidente da NC Games: “Precisamos de volume para fazer a indústria local crescer, e um dos caminhos é falar o português”.

Publicidade