Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

#ImpeachmentDay: simpatizantes de Dilma ganham ao menos nas redes

Em dia de votação no Congresso, volume de menções ao processo contra a presidente salta, puxado por críticos à saída da petista

Por Jadyr Pavão - Atualizado em 28 out 2016, 18h33 - Publicado em 17 abr 2016, 19h36

tarja O QUE OS DADOS CONTAM

Como era lógico esperar, a votação na Câmara dos Deputados que pode aceitar a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff fez disparar as menções ao assunto nas redes sociais. Menos óbvio foi o posicionamento das mensagens: ganharam espaço as manifestações contrárias à saída de Dilma. O monitoramento é da empresa de big data Hekima, que coletou desde a segunda-feira cerca de 1,3 milhão de mensagens contendo, separadamente ou em combinação, os termos política, Brasil, crise, políticos, Congresso Nacional, partido político, deputado federal e impeachment e suas variações. Foram consideradas postagens públicas do Twitter e de páginas de sites de notícias e blogs.

A imagem abaixo mostra o avanço do número de postagens entre meia-noite e 17h deste domingo:

Análise de volume 2 Hekima

Publicidade

A imagem a seguir mostra o avanço das postagens na semana, até às 17h deste domingo:

Análise de volume 1 Hekima

Finalmente, a imagem abaixo mostra números relativos a postagens em que foi possível identificar uma posição frente ao impeachment. A classificação foi feita por método manual e automático (machine learning). O avanço da reprovação ao impeachment, segundo a Hekima, se deve ao maior compartilhamento de postagens de publicações tradicionalmente ligadas à esquerda, como Pragmatismo Político e revista Fórum.

Análise de sentimento Hekima

Publicidade