Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

‘Huffington Post’ chega ao país atrás do ‘sonho brasileiro’

A empresária que criou e dirige o site americano, que ganha versão local até o fim do ano, diz que traz projeto ao país de olho na classe C

Por James Della Valle 4 set 2011, 12h10

O badalado Huffington Post chega ao Brasil até o fim do ano. Vai repetir por aqui a fórmula usada nos Estados Unidos (e também no Canadá e Grã-Bretanha): publicar em seu site reportagens e artigos produzidos por uma equipe de 130 jornalistas e também textos assinados por um time variável de cerca de 9.000 colaboradores blogueiros não remunerados. Lá fora, a receita provou-se um sucesso comercial, tanto assim que o endereço foi comprado em fevereiro pela América Online por 315 milhões de dólares – a expectativa é que ele lucre 50 milhões de dólares neste ano. Do ponto de vista da qualidade, contudo, deixa a desejar, misturando conteúdos apurados com outros de baixo quilate. A audiência do Huffpo, como foi apelidado, supera os números de publicações tradicionais americanas, como os do jornal The New York Times, mas sua reputação ainda está longe disso. À frente desse negócio está a grega Arianna Huffington, de 61 anos, sua fundadora. A empreitada brasileira, que terá um parceiro nacional ainda não revelado, pretende aproveitar a ascensão da economia local. “No Brasil, a classe C cresce enquanto as pessoas abandonam a pobreza. Curiosamente, nos Estados Unidos o movimento é o inverso: as pessoas estão se movendo da classe média para a pobreza”, diz. É hora, nas palavras da empresária, do “sonho brasileiro”. Arianna esteve no Brasil nesta semana para participar do Infotrends, evento sobre tendências digitais patrocinado pela revista Info e pela Editora Abril, que publica VEJA. Confira a seguir a entrevista que ela concedeu ao site.

Quais são seus planos no Brasil? Queremos que o projeto seja uma combinação de empreendimento jornalístico com a nossa plataforma de blogs, que vai fornecer conteúdo criado por algumas das vozes mais interessantes do Brasil. Parte desse material será enviado aos Estados Unidos, uma vez que lá há grande interesse no Brasil. Queremos levar o conteúdo criado aqui para a audiência internacional.

A senhora já se reuniu com empresas para trazer o Huffington Post ao Brasil. O que espera dessas companhias? Basicamente, queremos que elas nos ajudem a combinar o jornalismo brasileiro com a nossa plataforma, que é baseada no empenho das pessoas. Procuramos motivar nossos usuários a escrever e compartilhar conteúdo, além é claro de oferecer um noticiário variado.

Quando teremos o Huffington Post aqui? Em breve, mas não há uma data ainda. Esperamos lançá-lo até o fim do ano.

Qual sua visão sobre o Brasil? O que vejo por aqui é fascinante. O Brasil está crescendo, apesar do nível de desemprego estar muito alto, se comparado ao dos Estados Unidos. A classe C cresce enquanto as pessoas abandonam a pobreza. Curiosamente, nos Estados Unidos, o movimento é o inverso: as pessoas estão se movendo da classe média para a pobreza. Cheguei a escrever um livro, o Third World America, a respeito do fim do “sonho americano” – que agora está se tornando no “sonho brasileiro”. Sei que o país tem vários problemas, mas está em ascensão. Empresários de outros países estão começando a investir no Brasil, inclusive na infraestrutura do país.

Como a senhora definiria o modelo de negócios do site? O Huffpo é totalmente baseado em publicidade, sem assinaturas. Acreditamos no sucesso desse modelo de economia “linkada”, que pode ajudar a monetizar também os blogs dos colaboradores.

Continua após a publicidade

Atualmente, a senhora emprega jornalistas, uma mudança em relação ao nascimento do site, que usava apenas colaboradores. Por que a alteração? Temos cerca de 130 jornalistas trabalhando em nossos sites. Tudo é separado entre nosso empreendimento jornalístico e nossa plataforma de conteúdo, que é utilizada por milhares de blogueiros. Cada grupo tem a sua função.

Como manter esses blogueiros trabalhando de graça? Na verdade, eles não estão trabalhando de graça. Eles só escrevem quando querem e quando têm algo a dizer. Eu estou falando com você de graça, porque assim minhas ideias terão maior alcance. O mesmo acontece quando alguém vai à TV conceder uma entrevisa para exibir seus projetos. Nossos colaboradores têm deadlines (prazo para entrega dos textos), mas gostam de produzir.

E como administrar essa falta de comprometimento do colaborador? Felizmente, temos jornalistas que produzem conteúdo. Não dependemos dos blogueiros para colocar as notícias no ar, mas as opiniões e reações dos colaboradres são muito valiosas.

O site recebe uma enorme quantidade de comentários: como lidar com isso também? Nós acabamos de chegar a 100 milhões de comentários, com uma média mensal de 5 milhões. Isso prova que o Huffington Post é um sucesso na rede. Mas é bom lembrar que a moderação de comentários é essencial, pois as pessoas querem entrar no site e ver uma discussão civil.

A audiência do site já superou a de publicações tradicionais, como a dos endereços eletrônicos do New York Times e Washington Post. O que isso significa para o projeto? O Huffington Post tem apenas seis anos de idade. Essa posição mostra a força do novo meio combinado às práticas do jornalismo, como apuração e checagem de fatos, por exemplo.

Como vai sua relação com a América Online? Muito bem. A aquisição permitiu a expansão da nossa plataforma, além de nos ajudar com os mais de 200 milhões de visitantes mensais. Com a AOL, partimos para uma expansão internacional.

A América Online pode voltar ao Brasil? Já está voltando, junto com o Huffington Post.

Continua após a publicidade
Publicidade