Clique e assine a partir de 9,90/mês

Guerra cibernética já começou, diz autoridade britânica

Por Da Redação - 13 out 2010, 12h46

Iain Lobban, diretor da agência britânica de inteligência de comunicações (GCHQ, na sigla em inglês), afirmou que diversos países já utilizam técnicas de guerra cibernética, o que aumenta a necessidade de vigilância contínua para proteger redes de computadores. Ele firmou que sistemas do governo britânico são alvo de mil tentativas mensais de infiltração.

“O ciberespaço é disputado a cada hora, a cada dia, a cada minuto e a cada segundo”, disse Lobban, em raro discurso, na noite desta terça-feira. Suas declarações, feitas diante de uma plateia em Londres, no Instituto Internacional para Estudos Estratégicos, foram publicadas nesta quarta.

A internet reduziu “as barreiras de acesso ao jogo da espionagem”, disse. Sua expansão elevaria o risco de ataques à infraestrutura, caso, por exemplo, de usinas de energia e serviços financeiros. “A ameaça é real e digna de atenção”, afirmou Lobban.

Políticos e líderes dos serviços de inteligência britânicos e do restante do mundo vêm lançando alertas cada vez mais frequentes sobre a crescente ameaça da guerra cibernética. A questão ganhou destaque no mês passado quando especialistas em segurança sugeriram que o vírus Stuxnet, que ataca sistemas industriais, pode ter sido criado por um estado a fim de atacar instalações nucleares no Irã.

Continua após a publicidade

“É verdade que vimos o uso de técnicas de guerra cibernética por um país contra outro, a fim de criar pressão diplomática ou econômica”, disse Lobban, sem mencionar detalhes. Um relatório parlamentar recente informou que o GCHQ havia indicado que países como Rússia e China representam a maior ameaça de ataque eletrônico contra a Grã-Bretanha.

Os Estados Unidos estão criando um Cibercomando em suas forças armadas para proteger redes e montar ataques cibernéticos. Lobban disse que é preciso haver acordo sobre “normas corretas de comportamento no ciberespaço para os estados responsáveis”.

(Com Agência Reuters)

Publicidade