Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Falha no Facebook: 540 milhões de dados ficam expostos em servidor

Informações pessoais ficaram disponíveis em servidores da Amazon na nuvem

Mais de 540 milhões de dados do Facebook ficaram expostos em servidores da Amazon na nuvem sem qualquer tipo de senha para protegê-los. A revelação foi feita na quarta-feira 3 pela empresa de cibersegurança UpGuard. Em nota, a companhia afirma que os dados, requisitados por desenvolvedores de aplicativos para o Facebook, continham curtidas, comentários, fotos, músicas, informações sobre amigos, eventos e até reservas de voos e hotéis. O número de usuários atingidos ainda é investigado.

A maior parte dos dados foi colocada no servidor pela empresa Cultura Criativa, que tem sede no México, segundo a UpGuard. “Os dados sobre os usuários do Facebook se espalharam muito além dos limites que o Facebook pode controlar hoje. Combine essa plenitude de dados pessoais com tecnologias de armazenamento de dados que são muitas vezes mal configuradas para o acesso público e o resultado é uma longa base de dados de usuários do Facebook que continuam a vazar”, escreveu a empresa de cibersegurança em comunicado.

O Facebook, também por meio de nota, informou que, após ser avisado, trabalhou com a Amazon para retirar as bases de dados e ressaltou o compromisso de atuar com os desenvolvedores para proteger os dados dos usuários da plataforma.

O novo vazamento de dados é apenas mais um capítulo nos escândalos de privacidade envolvendo a rede social. No ano passado, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, assumiu no Senado dos Estados Unidos a responsabilidade pelo uso inadequado de informações pela Cambridge Analytica e afirmou que a segurança é uma prioridade da empresa.

O Facebook é a rede social mais usada no mundo, com 2 bilhões de usuários mensais. Além disso, a empresa é dona do WhatsApp e do Instagram, também utilizados por bilhões de pessoas.

A imensa quantidade de dados que passam pela companhia diariamente fez com que várias vozes da política e da sociedade civil questionassem se o Facebook atingiu um nível excessivo de poder sobre a privacidade das pessoas.