Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Facebook usa dados coletados de apps populares para escolher anúncios

Rede social disse que o compartilhamento de informações entre aplicativos 'é uma prática padrão do setor', mas garante que exclui as informações

Por Estadão Conteúdo 22 fev 2019, 20h31

O Facebook usa ao menos 11 aplicativos populares para coletar dados sensíveis como frequência cardíaca e ciclo menstrual de pessoas, mesmo que estes não sejam usuários da rede social. As informações são do jornal americano The Wall Street Journal, que apontam o caso como um novo um escândalo de privacidade envolvendo a empresa.

De acordo com a reportagem, o Facebook usava um software especial em aplicativos de terceiros. A tecnologia incluía uma ferramenta de análise de dados feita pela empresa de Mark Zuckerberg que permitia aos desenvolvedores ver as atividades de um usuário, para então, segmentar anúncios para as pessoas na rede social. Ainda conforme o jornal, as informações eram registradas até mesmo quando usuários optavam por não fazer login no aplicativo parceiro via Facebook.

Entre os aplicativos que repassavam as informações estavam o Instant Heart Rate, que informava a rede social sobre a frequência cardíaca dos usuários, o Flo Period & Ovulation Tracker, que registrava ciclos menstruais, e o Realtor.com, que repassava ao Facebook listas de imóveis visualizadas.

Em um comunicado, o Facebook disse que o compartilhamento de informações entre aplicativos “é uma prática padrão do setor”, mas garante que, ao detectar que a coleta de dados fere os termos comerciais da rede social, a empresa exclui as informações.

“Exigimos que os desenvolvedores de apps sejam claros com seus usuários sobre as informações que estão compartilhando conosco e proibimos os aplicativos de nos enviar dados confidenciais”, disse a rede social.

Alguns as informações compartilhadas, porém, violam os termos comerciais do Facebook, que proíbe desenvolvedores de enviar “informações financeiras, de saúde ou outras categorias confidenciais”. O Facebook justifica que a coleta de dados aplicativos é necessária porque ajuda a rede social a melhorar as experiências de anúncios tanto para usuários quanto para anunciantes.

A descoberta é mais um capítulo na história de escândalos de privacidade envolvendo o Facebook. Esta semana, Zuckerberg disse que a empresa “inovou” no assunto e citou como exemplo o uso de criptografia no WhatsApp, Messenger e Instagram. A declaração foi criticada por especialistas e órgãos regulatórios.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)