Clique e assine a partir de 9,90/mês

Facebook processa empresa analítica por uso inapropriado de dados

Rede social acusa site de pagar para que fabricantes de software instalassem um programa em seus aplicativos que criava uma coleta "inadequada" de dados

Por AFP - Atualizado em 28 fev 2020, 03h01 - Publicado em 28 fev 2020, 02h53

O Facebook entrou com uma ação contra a empresa de inteligência de dados oneAudience por usar uma tática para obter informações sobre os usuários da plataforma de rede social.

O site oneAudience, com sede em Nova Jersey, pagou para que fabricantes de software instalassem um programa “malicioso” em seus aplicativos que criava uma coleta “inadequada” de dados de pessoas no Facebook e em outros sites de redes sociais, disse o Facebook.

“Os investigadores de segurança primeiro relataram o comportamento da oneAudience como parte do nosso programa de recompensas por (denunciar) abusos de dados”, disse Jessica Romero, diretora de regras de plataforma e litígios, em um post no blog.

“O Facebook e outras empresas afetadas logo tomaram medidas contra a OneAudience”.

Continua após a publicidade

As medidas que o Facebook tomou no final do ano passado incluem a desativação de aplicativos e o envio de uma notificação legal à oneAudience para interromper essa atividade, de acordo com a rede social.

O Facebook pediu à oneAudience para cooperar e auditar a conformidade com as políticas de redes sociais, mas, segundo Romero, a empresa se recusou a cumprir o pedido.

A maior rede social do mundo enfrentou intensa pressão para tomar medidas fortes contra o uso inadequado de dados, uma vez que um consultor político que trabalha na campanha de Donald Trump roubou informações pessoais de dezenas de milhões de usuários.

Desde então, o Facebook se comprometeu a revisar os acordos com todos os seus parceiros e aplicativos.

Continua após a publicidade

A oneAudience diz que trabalha com parceiros para precisar “identidades únicas de dispositivos móveis” que permitam localizar usuários “reais e verificados” e “compreender plenamente o usuário por trás da tela”.

Procurada pela AFP, a empresa não se manifestou.

Publicidade