Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Facebook prepara lançamento à la Apple

Rede promete anúncio grandioso na próxima semana. Mercado especula o que será: buscas, e-commerce ou smartphone da rede

O Facebook iniciou a distribuição de convites a jornalistas anunciando um evento na próxima terça-feira, às 16h (no horário de Brasília), em seu QG na Califórnia, nos Estados Unidos. O que vai ser anunciado lá é mantido sob sigilo absoluto, no melhor estilo Apple de fazer lançamentos. “Venha e veja o que estamos construindo”, diz o convite. O suspense agradou o mercado: o preço da ação da rede social atingiu o nível mais alto em seis meses: 30,82 dólares.

Leia também:

Facebook inicia testes de novo visual da Timeline

Confusão com foto da família Zuckerberg serve de lição a usuários

Alimentadas pelo mistério, as apostas sobre o que a rede apresentará não param de surgir. A primeira hipótese levantada é que a rede, enfim, apresentaria o aperfeiçoamento de seu serviço de buscas. Assim, os resultados das pesquisas passariam a exprimir a relevância que os usuários dão aos conteúdos – estratégia que o Google tenta incorporar desde junho de 2011, quando lançou a plataforma Google+.

Outra aposta é a criação de uma poderosa ferramenta de vídeos, que em tese permitiria aumento do faturamento com publicidade. Outros ainda acreditam que a novidade esteja relacionada ao comércio eletrônico, setor que cresce a passos largos na internet.

Por fim, mas não menos importante, é a suposição de que a rede lançaria um smartphone próprio, com a marca Facebook. Vale lembrar que, em setembro, o fundador e CEO da empresa, Mark Zuckerberg, foi enfático ao negar boatos de que a empresa trabalhasse nesse sentido. “Não faz o menor sentido”, disse Zuckerberg. “Nosso objetivo é tornar o ambiente acessível ao maior número possível de dispositivos de diferentes marcas. Com um smartphone próprio, chegaríamos no máximo a 10 milhões ou 15 milhões de pessoas, o que é muito pouco diante do nosso potencial.”

Leia também:

Facebook: livre para definir uso de dados do usuário

Facebook altera controle de privacidade. De novo