Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Ex de Steve Jobs conta detalhes de sua difícil relação com o fundador da Apple

Em autobiografia que será lançada dia 28 de outubro, Chris-Ann Brennan relembra os cinco anos que durou sua relação com o gênio fundador da Apple

Por Da Redação - 15 out 2013, 20h49

A artista plástica e designer Chris-Ann Brennan, ex-namorada de Steve Jobs, anunciou nesta terça-feira o lançamento de um livro em que conta detalhes de sua difícil relação com o gênio fundador da Apple, que morreu em outubro de 2011. Na autobiografia The Bite in the Apple: A Memoir of My Life With Steve Jobs, que será lançada em 28 de outubro pela editora St. Martin Press, Brennan relembra os cinco anos que durou a relação com Jobs, encerrada abruptamente em 1977 com uma gravidez inesperada.

Leia também:

Nos dois anos da morte de Steve Jobs, sucessor exalta ‘contribuição ao mundo’

Bill Gates revela encontro pouco antes da morte de Steve Jobs

Publicidade

Apple relembra Steve Jobs em aniversário de um ano de sua morte

Irmã revela como Steve Jobs lidou com iminência da morte

O primeiro capítulo da obra, divulgada pelo jornal americano New York Post, conta os primeiros dias da companhia e a mudança na personalidade de seu criador. “Com o tempo, eu passei a entender que Steve estava aprendendo a ganhar poder de uma forma diferente: projetando uma imagem negativa das pessoas para subjugá-las. Ele estava começando a me definir por aquilo que não fazia parte do meu perfil. Ele criou uma nova categoria de indelicadeza, o que me deixou confusa. Era cruel e me fez sentir rejeitada”, afirma.

Os altos e baixos na relação persistiram até 1977, quando Brennan contou a Jobs que estava grávida. Nervoso com a situação, o executivo terminou o relacionamento e negou a paternidade, alegando ter problemas de fertilidade. Lisa Nicole-Jobs, que hoje atua como jornalista, nasceu no ano seguinte e foi sustentada pela mãe, que conseguiu um emprego de garçonete.

Publicidade

Em 1979, um exame de paternidade provou que Jobs era realmente o pai de Lisa, mas ele simplesmente ignorou o resultado. Mais tarde, em 1983, afirmou à revista Time que “28% da população dos Estados Unidos poderia ser pai da criança”. No final da década de 90, Jobs finalmente decidiu se aproximar da filha. Ele pagou pelos seus estudos na Universidade de Harvard, onde ela se formou jornalista.

Publicidade