Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

EUA aprovam tecnologia que permite troca de dados entre carros

'Comunicação' entre veículos em tempo real, como velocidade e posição, vai ajudar motoristas na prevenção de colisões e outros acidentes

Por Da Redação 3 fev 2014, 19h21

Autoridades americanas autorizaram nesta segunda-feira o uso de tecnologia de comunicação ‘veículo a veículo’, que permite trocar dados de segurança básicos, como velocidade e posição, com o objetivo de impedir colisões.

Leia também:

Ford planeja primeira maratona de programação no Brasil em 2015

Ford fecha parceria com MIT e Stanford para estudar carros sem motorista

“A tecnologia ‘veículo a veículo’ é a próxima geração de melhorias de segurança em carros, depois de avanços que permitiram salvar vidas, como os cintos de segurança e os ‘airbags'”, disse Anthony Foxx, secretário de Transporte dos Estados Unidos, ao anunciar a aprovação. “Ao ajudar os motoristas a evitar acidentes, essa tecnologia terá um papel-chave para melhorar os deslocamentos, garantindo, ao mesmo tempo, que os EUA continuem sendo líderes na indústria mundial do automóvel”, prosseguiu.

A aprovação veio depois de um projeto de testes iniciado em 2012, no qual foram usados veículos equipados com dispositivos sem fio para alertar os motoristas sobre perigos específicos, como uma colisão iminente em um cruzamento ou em um veículo parado mais adiante. Segundo as autoridades, esse recurso vai ajudar a evitar colisões traseiras, pela troca de faixa ou em cruzamentos, mas esclareceram que o sistema não inclui tecnologia de frenagem automática ou de mudança de direção.

A Administração Nacional de Segurança nas Estradas (NHTSA) informou que apresentará um relatório aberto a comentários do público com o objetivo de estabelecer normas para o avanço. A agência informou que os sistemas levarão em conta a “segurança e a proteção da privacidade” para garantir que os veículos possam confiar em mensagens enviadas de outros veículos. “Dentro de algumas décadas, o mais provável é que olhemos este período como um em que a segurança do transporte mudou consideravelmente para melhor”, afirmou David Friedman, da NHTSA, comparando-o à introdução de normas para cintos de segurança e os “airbags”.

Scott Belcher, da Intelligent Transportation Society of America, grupo comercial que representa as indústrias de transporte e tecnologia, comemorou o anúncio. “Embora a indústria automobilística tenha dado grandes passos para reduzir as mortes e lesões após um acidente, o grande passo seguinte é permitir a comunicação em tempo real entre veículos e com o mundo que os cerca para evitar, com isso, todos os acidentes”, indicou Belcher em comunicado.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade