Clique e assine com até 92% de desconto

Empresa planeja oferecer banda larga sem fio e gratuita

Com apoio de um dos fundadores do Skype, FreedomPop vai dar aos americanos quase um gigabyte de acesso livre e de alta velocidade

Por The New York Times 15 abr 2012, 11h13

Quando pensamos em direitos humanos básicos, o acesso à internet de banda larga sem fio provavelmente não está no topo da lista. Porém, uma nova empresa apoiada por um dos fundadores do Skype discorda e planeja levar banda larga móvel gratuita para os Estados Unidos até o fim do ano usando o slogan “a internet é um direito, não um privilégio”.

Chamado FreedomPop, o serviço dará aos usuários quase um gigabyte de acesso livre e de alta velocidade à internet móvel por mês pela rede WiMAX da Clearwire e, no futuro, pela da LTE. Também estarão à disposição outros planos pré-pagos de baixo custo com acesso a mais dados. Tony Miller, vice-presidente de marketing do FreedomPop, deu poucos detalhes específicos sobre os produtos da empresa e de como pretende ganhar dinheiro – e nem sequer cita os executivos ou fundadores -, mas disse esperar que o serviço estreasse entre julho e setembro e termine sendo lançado em outros países.

A chegada do FreedomPop coincide com o rápido crescimento do número de usuários de smartphone e o lançamento de redes 4G à medida que as operadoras sem fio tentam acompanhar o passo com a demanda crescente por dados móveis. A companhia não é a única que vê uma oportunidade no lançamento de um serviço 4G gratuito: a NetZero recentemente lançou planos gratuitos e de baixo custo. Porém, se a NetZero oferece 200 megabytes de dados sem fio gratuitos por mês, o FreedomPop oferecerá quase o quíntuplo dessa quantidade – mais do que a maioria dos usuários atualmente consomem por mês.

“Desejamos transformar o acesso em commodity, da mesma forma que o Skype fez com a voz”, diz Miller. Segundo ele, os criadores da empresa são amigos de Niklas Zennstrom, cofundador do Skype, que há muito tempo queria trabalhar com uma empresa novata ligada a acesso gratuito a internet. Zennstrom é apoiador e consultor, mas não faz parte ativa da administração da firma.

De acordo com Miller, da mesma forma que o Skype, o FreedomPop usará um modelo “freemium” pelo qual os usuários recebem alguns serviços de graça e precisam pagar por mais. Depois que os usuários ultrapassarem a cota mensal, pagarão uma taxa. Segundo Miller, a cobrança sobre o excedente será “barata” – provavelmente um centavo por megabyte; talvez mais barato para clientes do serviço pré-pago – já que a empresa deseja incentivar o uso.

Sem dar detalhes, Miller acrescenta que os usuários poderão ganhar mais consumo de dados por meio de recursos sociais embutidos no serviço e dividir parte da cota de dados com outros usuários.

Continua após a publicidade

Miller afirma que, a princípio, a FreedomPop oferecerá três equipamentos de banda larga móvel. Haverá um adaptador USB para laptops, um “hotspot” Wi-Fi pelo qual até 20 equipamentos poderão se conectar à web e um estojo para iPhone que permitirá ao smartphone contornar a operadora sem fio do cliente, recarregar o telefone e que também funciona como “hotspot” para até oito aparelhos adicionais.

Os usuários não vão pagar pelos aparelhos, mas terão de efetuar um depósito restituível. Miller afirma que a intenção é evitar o abuso, como o de pessoas revendendo um “hotspot” ou estojo para iPhone no eBay. Os equipamentos serão vendidos principalmente online, mas talvez também estejam disponíveis em lojas físicas.

A FreedomPop ainda venderá planos de dados pré-pagos sem fio cujo preço será “significativamente mais baixo” do que os pré e pós-pagos existentes no mercado. Os preços variam, mas a AT&T cobra US$ 50 mensais por um contrato de dois anos que dá ao usuário cinco gigabytes para usar com um modem USB ou um “hotspot” móvel, enquanto os planos para smartphone incluem uma opção de três gigabytes a um custo de US$ 30 mensais. Entre os pré-pagos, a GoPhone oferece 500 megabytes por US$ 25.

“Um gigabyte não será suficiente” – Segundo Miller, a FreedomPop espera que a maior parte da receita venha de serviços além do acesso à internet. Ele não especificou quais serão esses serviços, mas garantiu que oferecer segurança como uma rede virtual privada não será um deles – o teste não apresentou bons resultados. Ainda de acordo com Miller, a empresa também está de olho em oportunidades publicitárias, que poderiam ser outra fonte de receita.

Brian Rich, sócio da empresa de capital de risco Catalyst Investors, que investiu na Clearwire, disse que a FreedomPop é uma ideia inteligente, por estar se aproveitando da capacidade oferecida pela rede da Clearwire, menos restrita que as da AT&T e Verizon Wireless. Ele também se pergunta se a FreedomPop conseguirá lucrar o suficiente revendendo o serviço da Clearwire para que a iniciativa valha a pena.

Neil Shah, analista da Strategy Analytics, tem a mesma opinião, dizendo que a FreedomPop precisará fechar acordos com outros parceiros de banda larga móvel porque o alcance da Clearwire ainda é limitado. Atualmente, o serviço cobre mais de 130 milhões de pessoas em pelo menos 70 cidades norte-americanas. A FreedomPop também tem um acordo com a LightSquared, que planeja a venda no atacado em âmbito nacional da rede da LTE, porém a Comissão Federal de Comunicação recentemente cancelou a licença da empresa. Miller disse que a FreedomPop está negociando outro contrato nacional.

Shah alerta para o fato de que à medida que as pessoas ficarem mais acostumadas a usar dados nos celulares, a FreedomPop necessitará dar ainda mais para atrair usuários para o serviço. “No fim das contas, um gigabyte não será suficiente.”

Continua após a publicidade
Publicidade