Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Empresa de cibersegurança chega ao Brasil para reforçar defesas virtuais

Cofundador e professor da CySource falam a VEJA sobre desafios e necessidades acerca da cibersegurança no país

Por Sabrina Brito 22 set 2021, 15h19

Recentemente, a empresa israelense CySource, centro de pesquisa e plataforma de cursos online de cibersegurança criada por veteranos da inteligência militar de Israel, chegou ao Brasil. O objetivo é disponibilizar treinamentos na área no país, criando soluções para empresas, bancos e órgãos públicos que possuem ativos críticos e que devem ser protegidos.

“O Brasil tem um enorme potencial para aprender sobre cibersegurança”, afirma a VEJA Amir Bar-El, cofundador e CEO da CySource. “O país sofre muitos ataques virtuais pelo grande tamanho de sua população, vasta quantidade de empresas e bancos e baixo nível de conscientização sobre o ambiente online.” Segundo o especialista, é preciso que haja não apenas a produção de conhecimento, mas também a formação de uma mão-de-obra qualificada que possa compor a defesa contra criminosos no âmbito digital.

Alguns dos membros da CySource são profissionais responsáveis por detectar falhas na cibersegurança de nomes como Facebook, Amazon e WhatsApp. Além disso, por meio de uma invasão inofensiva realizada por um dos funcionários da empresa, foram descobertas vulnerabilidades que permitiriam a um hacker tomar o controle de 800 usinas de energia eólica espalhadas pela Alemanha, Espanha, Brasil, Estados Unidos e Índia. Como forma de propagar as técnicas e métodos que permitem aumentar a defesa de diversas companhias, a organização oferece mais de vinte cursos em português para o público brasileiro.

Para Luli Rosenberg, professor da CySource, embora ainda seja necessário conscientizar grande parte do ecossistema empresarial e público do Brasil acerca da cibersegurança, a situação parece estar melhorando. “É interessante ver a maturidade que vem sendo desenvolvida nesse sentido no país”, opina. “Ainda assim, 90% dos ataques virtuais são resultado do fator humano — ou seja, embora a tecnologia de uma empresa ou órgão público seja avançada, um funcionário pode representar um elo fraco e colocar toda a organização em risco –, e isso precisa ser muito trabalhado.” 

De acordo com ele, um importante avanço nesse sentido foi a elaboração da Lei Geral de Proteção de Dados. “Bem ou mal, ela obriga organizações a se adequarem a um padrão muito importante”, diz.

Segundo Bar-El e Rosenberg, o objetivo da chegada da CySource ao Brasil é tornar o país uma potência no ramo da cibersegurança. “Queremos estabelecer no Brasil um hub enorme e dinâmico de conhecimento cibernético”, declara Amir Bar-El.

Continua após a publicidade
Publicidade