Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em vídeo, lições de Steve Jobs a formandos de Stanford

Em 2005, o pai da Apple fez um tocante discurso a graduandos da universidade. Sua fala mistura recordações e incentivo aos jovens que ganhavam o mundo

‘Tenham coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles de alguma forma já sabem o que você quer se tornar’, disse Jobs aos formandos de Stanford

Em 2005, Steve Jobs foi convidado a discursar na cerimônia de formatura dos estudantes da Universidade de Stanford, na Califórnia, uma das mais respeitadas do mundo. Diante de uma plateia numerosa e atenta, Jobs lançou suas primeiras palavras, lembrando que ele jamais concluíra a graduação: “Eu nunca me formei na faculdade. Este evento é o mais próximo que já cheguei de uma formatura de faculdade.”

Jobs falaria por pouco menos de 15 minutos. Sereno, fez um discurso ao mesmo tempo tocante e encorajador. “Eu gostaria de contar três histórias da minha vida. É isso. Não é grande coisa. Só três histórias.” Sim, eram grandes coisas. As histórias misturavam recordações íntimas do criador da Apple com lições motivadoras para os jovens que acabavam de se formar – e que, assim, ganhavam o mundo.

Na primeira passagem, Jobs narra sua origem: a adoção logo após o nascimento e a surpreendente troca da promissora graduação na faculdade (sonhada pela mãe biológica e pelos pais adotivos) por um incerto aprendizado de caligrafia. Olhando em retrospectiva, Jobs julga acertada a decisão. Surge, então, o primeiro ensinamento aos formandos. “Você não pode conectar os pontos olhando adiante, você só pode conectá-los olhando para trás. Então, você tem que confirar que os pontos vão se conectar de alguma forma no seu futuro. Você tem que confiar em alguma coisa: seu Deus, destino, vida, carma, seja o que for. Acreditar que os pontos vão se ligar em algum momento vai dar confiança para você seguir seu coração, mesmo que ele o leve para um caminho diferente do previsto.”

A segunda história reconstrói o episódio do afastamento de Jobs da Apple, empresa que ele criou em 1976 e da qual foi expulso em 1985. Olhando outra vez em retrospectiva, o executivo diz que a demissão foi um dos fatos mais enriquecedores de sua vida, porque o fez descobrir o que realmente gostava de fazer. Doze anos depois, Jobs voltou à Apple, para salvar a empresa da falência e comandar a companhia em sua fase mais espetacular. “Você tem que descobrir o que você ama. E isso é verdadeiro tanto para o seu trabalho quanto para com as pessoas que você ama.”

Na terceira passagem, Jobs fala sobre sua doença, um câncer no pâncreas, que, àquela altura, parecia debelado. Outra vez, tirou da dura experiência um discurso encorajador às plateias de todo o mundo. “Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de achar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração”, diz. “Tenha coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles, de alguma forma, já sabem o que você quer se tornar.”

Assista ao vídeo a seguir: