Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Desafio dos e-books é enfrentar músicas e filmes, diz executivo da Amazon

Durante evento, em São Paulo, Russ Grandinetti palestrou sobre o mercado de livros eletrônicos, mas evitou revelar planos da operação no Brasil

O segundo mais importante executivo da Amazon aproveitou a presença na 22º Bienal do Livro, em São Paulo, para tentar atenuar a resistência das editoras brasileiras ao livros digitais. Em palestra, Russ Grandinetti mostrou dados e afirmou que os principais concorrentes dos e-books são outros produtos digitais, como músicas e filmes, e não a versão impressa. Grandinetti evitou falar sobre detalhes do início de suas operações no Brasil, previsto por consultores do mercado de varejo para ocorrer até o final de 2012.

Leia também

Apple e Amazon reavaliam políticas de segurança

Amazon cria jogo social para o Facebook

CEO da Amazon doa US$ 2,5 milhões para apoiar referendo que defende casamento homossexual

“Durante muitos anos, as pessoas enxergavam no livro digital um concorrente do impresso”, afirmou o vice-presidente, alfinetando de forma sutil as editoras que não querem fechar acordos com a companhia para a distribuição de seus e-books. “O Kindle não é um gadget ou um dispositivo. O Kindle é um serviço”, completou. “O e-book disputa espaço com músicas e filmes”.

Grandinetti participou de uma palestra, onde contou a história do Kindle para cerca de 100 pessoas. Adiantou no início de sua fala não possuir qualquer detalhe adicional sobre a empresa no Brasil.

De acordo com os gráficos exibidos pelo porta-voz, a venda de e-books não comprometeu a comercialização dos livros tradicionais de forma global. O serviço, disponível em mais de 100 países do mundo, inclusive Brasil, também testemunhou um crescimento significativo na venda de obras em inglês em regiões onde a língua anglofônica é o segundo idioma. Os motivos são óbvios. O número de títulos em outras línguas ainda é ínfimo na grande biblioteca Amazon.

Questionado sobre o serviço de leitura automática dos livros (auto speech), e a adaptação do recurso para livros de outros idiomas, Grandinetti seguiu o protocolo Amazon: “Não temos nenhuma novidade”, disse o executivo.

O braço direito de Jeff Bezos, dono da Amazon, aproveitou a oportunidade também para comentar tendências. Segundo o executivo, os jornais têm um grande desafio pela frente: encontrar uma solução rentável para a venda de seu conteúdo na rede. As revistas, contudo, não devem se preocupar. “Não acho que uma Vanity Fair enfrente problemas com a internet”, afirma.

Grandinetti não falou com jornalistas ao final do evento, alegando não “querer estragar a surpresa”. Também foi previsível ao citar seu último livro de cabeceira. “Cinqüenta Tons de Cinza!”, respondeu o executivo, em tom de brincadeira, mostrando estar por dentro da moda literária.