Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Computador vai emular os 5 sentidos humanos, aposta IBM

Segundo relatório da companhia, em cinco anos, máquinas serão capazes processar informações como faz o cérebro humano

Por Renata Honorato 17 dez 2012, 15h25

A IBM divulgou nesta segunda-feira suas previsões para os próximos cinco anos na área de tecnologia. A lista, baseada em pesquisas desenvolvidas pela empresa em todo o mundo, é produzida pela companhia desde 2005. De acordo com o levantamento, a tendência é que os computadores passem a emular os cinco sentidos humanos, tato, visão, audição, paladar e olfato, assim como faz nosso cérebro. Isso será possível graças à computação cognitiva.

Leia também:

IBM: computadores lerão mentes e reconhecerão pessoas em 2017

Para Fábio Gandour, cientista chefe da multinacional no Brasil, essa será a terceira era da evolução da computação. “Primeiro desenvolvemos a linguagem com base em algoritmos, depois os softwares e, no futuro, vamos testemunhar o processamento de conhecimento”, explica o especialista, responsável pelos laboratórios da empresa no país.

A grande evolução está na interpretação das informações enviadas por sensores, que hoje já são capazes de captar dados como cheiro, textura e som. “É preciso um conhecimento profundo do cérebro, principalmente no que diz respeito à percepção dos sentidos, para desenvolver essa nova tecnologia”, diz. Os sensores atuais conseguem identificar formas, mas ainda não são capazes de dizer, por exemplo, se uma silhueta pertence a um homem ou a uma mulher. A partir do desenvolvimento da tecnologia de interpretação de dados, o computador processará essa informação e poderá até responder com uma ação.

Quando essa área do conhecimento se desenvolver, um celular poderá reproduzir a textura de um tecido através de uma tela especial. Também será possível usar a tecnologia para identificar quais combinações mais agradam ao paladar de uma pessoa. Por exemplo: um consumidor poderá usar o seu celular para medir o teor de molho de tomate de um sanduíche ou mesmo a concentração de baunilha de um perfume.

Gandour garante que as pesquisas em curso podem revolucionar a forma como interagimos com as máquinas. Através de computadores capazes de captar sinais e interpretar diferentes dados será possível enviar informações a um chip integrado ao cérebro. Isso poderá ser especialmente útil a pessoas que perderam algum dos sentidos. “Em um futuro distante, um deficiente visual poderá enxergar, um deficiente auditivo, escutar e assim por diante”, afirma.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês