Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Como a pandemia afetou a paquera pelo Tinder

Neste ano, as menções a máscaras e ao movimento antirracismo quebraram recordes

Por Sabrina Brito Atualizado em 12 mar 2021, 16h15 - Publicado em 8 dez 2020, 15h56

O ano de 2020 não foi fácil para ninguém. Ainda assim, o banimento de aglomerações e as medidas de distanciamento social não impediram os usuários do Tinder de aproveitar o aplicativo para conhecer pessoas novas e até mesmo se encontrar com elas. Um novo relatório do app trouxe um compilado das tendências observadas no Tinder durante a pandemia.

Um dos aspectos registrados pelo aplicativo foi o de que a função “passaporte”, que permite que os usuários se conectem com indivíduos de todo o mundo (normalmente, o app restringe as conexões a um raio restrito de distância), foi usada por 16% dos adeptos do Tinder em abril. Além disso, menções a máscara de proteção no perfil individual foram multiplicadas por dez em 2020.

Outra descoberta, de vertente mais política, foi a de que a citação do termo “voto” dobrou neste ano. Já em julho, com a explosão dos movimentos antirracismo nos Estados Unidos, emojis com mãos negras fechadas, representativas do movimento, foram usados quatro vezes mais.

Vale destacar que o Tinder é o aplicativo mais popular do mundo para conhecer gente nova. Os downloads do app já ultrapassaram os 340 milhões e se espalham por 190 países.

  • Leia também:

    Continua após a publicidade
    Publicidade