Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Cientistas recriam hemoglobina de mamute

Por Da Redação 3 Maio 2010, 19h14

Por Marco Túlio Pires

Graças a um gene de 43.000 anos, pesquisadores de universidades do Canadá e da Austrália descobriram como os mamutes se adaptavam às temperaturas abaixo de zero na Sibéria e América do Norte pré-históricas. O gene, que codifica a proteína responsável pelo transporte de oxigênio em mamíferos (hemoglobina), foi inserido em bactérias Escherichia coli (E. coli). Em laboratório, essas bactérias são utilizadas para sintetizar proteínas humanas, como a insulina. A descoberta revelou que o gene permitia aos animais manterem seus tecidos oxigenados, mesmo a temperaturas muito baixas. “É como se voltássemos 40.000 anos no tempo e retirássemos uma amostra de sangue de um mamute vivo”, diz Kevin Campbell, biólogo da Universidade de Manitoba, no Canadá. O artigo foi publicado neste domingo no site da Nature.

O estudo da equipe de Campbell partiu do DNA obtido de ossos de mamute preservados nas geleiras da Sibéria. O pesquisador trabalhou com o especialista em DNA Alan Cooper, da Universidade de Adelaide, na Austrália, para isolar o gene do mamute responsável pela hemoglobina. Utilizando um processo já conhecido para sintetizar proteínas, Campbell e sua equipe conectaram o gene isolado à bactéria E. coli. O cientista diz que a proteína obtida com a técnica é idêntica as que teriam sido produzidas pelas células do animal, há mais de 40.000 anos.

O passo seguinte foi comparar o funcionamento da hemoglobina do mamute com as de elefantes africanos e asiáticos � também criadas em laboratório, utilizando o mesmo método da bactéria E. coli. A hemoglobina do elefante funciona de maneira semelhante a dos humanos, distribuindo o oxigênio pelas células em temperaturas mais quentes. Quando exercitamos nossos músculos, as células elevam a temperatura indicando a necessidade de mais oxigênio naquela região. A hemoglobina humana é produzida com a característica de distribuir oxigênio prioritariamente nessas áreas de maior necessidade. A hemoglobina do mamute, no entanto, distribui o oxigênio de maneira homogênea, independentemente da temperatura. Isso quer dizer que ela possui maior facilidade de troca de oxigênio com as células que a hemoglobina de outros mamíferos. Essa diferença ajuda a explicar como o mamute conseguia se adaptar às gélidas temperaturas. Além de orelhas pequenas e pelo grosso, Campbell sugere que o mamute pode ter desenvolvido formas de esfriar dramaticamente os membros para conservar energia e a temperatura geral do corpo.

Esse truque fisiológico é usado por animais adaptados ao frio de hoje, como as renas. Mas a baixíssima temperatura nas patas, normalmente enterradas na neve, era um grande problema. “O que o mamute desenvolveu foram mudanças na hemoglobina que reduzem a quantidade de calor necessária para a troca de oxigênio”, disse Campbell, o que permitiu que os animais mantivessem suas extremidades “respirando” mesmo em temperaturas muito baixas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês