Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Buscas on-line revelam o retrato de um ano atípico

Principal ferramenta de pesquisas na internet refletiu as angústias e mudanças vividas no ano de 2020

Por Paula Bellizia* Atualizado em 12 mar 2021, 16h14 - Publicado em 14 dez 2020, 15h49

Eu sempre achei a busca do Google fascinante, não só por encontrar as respostas que eu precisava, mas, mais do que tudo, pelas perguntas possíveis. É lá que as pessoas perguntam desde as coisas mais simples às mais profundas, como se fosse um misto de oráculo e confessionário. Coletivamente, a pesquisa on-line acaba sendo um espelho da sociedade, um raio-x em tempo real da humanidade, um grande termômetro de tendências.

Um momento importante que temos ao nos aproximarmos do fechamento de cada ano é a retrospectiva, individual e coletiva, dos últimos meses e o impacto deles em nossas vidas. E, como não poderia deixar de ser, dado o ano que vivemos, o Year in Search de 2020 – a retrospectiva do Google baseada nas buscas que as pessoas mais fizeram – acabou sendo bem diferente daquelas que vimos em anos anteriores.

Diferente por ter sido um período incrivelmente difícil, em que sentimos o impacto de crises e movimentos que definirão a história, como o Coronavírus e Vidas Negras Importam.

E também porque, até então, a maioria das grandes histórias parecia acontecer longe da nossa realidade individual. Neste ano, comunidades em todo mundo foram marcadas – e transformadas – por várias experiências similares.

Numa época em que fomos todos desafiados a enfrentar o coronavírus, o isolamento e o distanciamento social, começamos a questionar. Nunca os brasileiros buscaram tanto pela expressão “por que” acompanhada de outras palavras – houve uma alta de 24%.

Perguntamos “porque quarentena não é 40 dias” e “porque o coronavírus recebeu esse nome”. Perguntamos “porque as pessoas dançam”. Eu mesma, vendo as notícias sobre coronavírus, racismo e retração econômica, fui perdendo a vontade de dançar.

Continua após a publicidade

Estávamos, majoritariamente, em casa. As buscas se tornaram o retrato mais perfeito da quarentena: “Exercícios para fazer em casa”, “Como fazer máscara em casa”, “Horta em casa”, “Brincadeiras para fazer em casa”. Buscamos pequenas formas de conforto emocional. As buscas por “como fazer bolo” cresceram, e cresceram ainda mais aquelas sobre “porque o bolo murcha”.

De forma preocupante, o medo e o isolamento começaram a mostrar seu rosto – subiram as buscas por ansiedade e ataque de pânico. Mas subiram ainda mais as buscas por ioga, meditação e técnicas de relaxamento.

Eu vi as pessoas, em isolamento, cada vez mais próximas. Em um ano tão difícil, nós encontramos formas de seguir em frente.

O brasileiro, por exemplo, passou a buscar mais por “sororidade”. As buscas por “como ajudar os pequenos negócios” cresceram imensamente no mundo todo. Aquelas por “como doar” atingiram seu ponto mais alto desde 2005. As buscas por “como combater o racismo” registraram seu ponto mais alto desde 2010.

Mas de todas as buscas que cresceram em 2020, teve uma que me marcou profundamente, que simboliza que poderíamos, sim, atravessar juntos um momento tão desafiador e cujo crescimento foi um dos grandes recordes do ano: “esperança”. Será graças a ela que, juntos, podemos atravessar qualquer desafio que 2021 coloque diante de nós.

*Paula Bellizia é vice-presidente de marketing do Google na América Latina

Leia também:

Continua após a publicidade
Publicidade