Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil é um dos principais alvos de ataques de hackers

Dados da maior empresa de segurança cibernética, antecipados a VEJA, evidenciam a vulnerabilidade do país e indicam o mais perigoso tipo de roubo online

Dados antecipados com exclusividade ao site de VEJA pela empresa japonesa Trend Micro – com atuação em 50 países, líder global em soluções de segurança cibernética – revelam que o Brasil está dentre os países com maior fragilidade a ataques de hackers.

No levantamento, que considerou todos os ataques detectados pela companhia no mundo, o país aparece em segundo lugar no ranking de ramsomwares. Trata-se de quando o criminoso “sequestra” o computador ou smartphone de uma pessoa, inserindo um software que o bloqueia, e então pede um resgate para liberar o acesso.

No ano passado, a Trend Micro bloqueou 1,8 bilhões de ameaças dessa linha. Dessas, 10,75% ocorreram em território brasileiro. Nesse quesito, estamos atrás apenas de Estados Unidos (11,05%), e logo à frente de Índia, Vietnã e México.

A pesquisa, que ganhou o nome em inglês Smart Protection Network, ainda aponta o Brasil em 3° lugar em quantidade de ataques via e-mails. Foram acima de 2 bilhões de tentativas nesse estilo. O Brasil, em tal critério, só perde para China e, novamente em primeira lugar, os Estados Unidos.

Uma das práticas mais danosas financeiramente ocorre via e-mails. São os BEC (sigla em inglês para Comprometimento de E-mail Empresarial). Por esse método, mais sofisticado que o usual, os hackers simulam ser um alto executivo de uma companhia específica, falseando o endereço de e-mail e até mesmo o linguajar do indivíduo. Com isso, enviam mensagens a funcionários, também cuidadosamente escolhidos e que normalmente trabalham no departamento financeiro, com a intenção de manipulá-los para realizar transferências bancárias por meio de contas da corporação para a qual se trabalha.

“Esse tipo de golpe aplica uma eficiente engenharia social. Os cibercriminosos criam um ataque detalhado, com e-mails incrivelmente realistas, que incluem os nomes dos alvos e podem ainda parecer vir de pessoas de dentro da própria empresa. Tudo para se aproveitar das fraquezas humanas”, analisou Franzvitor Fiorim, diretor técnico da Trend Micro no Brasil.

O país também se situa dentre os quinze mais afetados por URLs maliciosas – aquelas mensagens que fisgam vítimas ao levá-las a clicar em links criados pelos hackers –, entre os quinze líderes em ataques via aplicativos e nos dez de malwares.