Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Apple enfrenta atraso na produção de telas do iPhone 6

Mudanças no projeto podem gerar dificuldades para a marca atender à demanda após o lançamento, que deve ocorrer no dia 9

Por Da Redação - 22 ago 2014, 17h21

A entrega das telas para montagem do próximo iPhone, modelo que deve ser apresentado pela Apple em 9 de setembro, está atrasada. De acordo com fornecedores chineses, o problema ocorreu após a empresa de Cupertino identificar uma falha na nova tecnologia de tela adotada no aparelho. A Apple pretendia usar uma tela mais fina, para reduzir a espessura do smartphone. A mudança teria reduzido o brilho da tela, o que fez a empresa interromper a produção e fazer mudanças.

Leia também:

Nova versão do iPhone terá tela feita de safira, diz jornal

Samsung lança no Brasil sua mais recente geração de tablets

Publicidade

A demora na entrega não deve impor atraso no lançamento da nova geração do iPhone, mas é possível que a empresa enfrente dificuldades para atender à demanda inicial. Segundo as fontes, a Apple já resolveu o problema e as fabricantes que fornecem telas à Apple já voltaram ao ritmo normal de produção para tentar recuperar o tempo perdido.

Entre as empresas que fabricam telas para a Apple estão a Japan Display, a Sharp e a sul-coreana LG Display. As empresas não comentaram oficialmente os atrasos na produção. No início deste mês, a Japan Display afirmou que pedidos de um “grande cliente” chegaram a tempo, mas que a entrega das telas estava atrasada, mas que os produtos seriam entregues até setembro.

Além da tela mais fina, que vai tornar o smartphone mais fino e leve, a próxima geração do iPhone deve chegar ao mercado com telas maiores. O produto terá versões com tela de 4,7 e 5,5 polegadas, uma estratégia da Apple para se manter competitiva em um mercado repleto de smartphones com sistema Android e telas cada vez maiores. O aparelho também deve ganhar novo design, com traseira de metal, e vai usar o iOS 8, nova versão do sistema operacional da Apple, anunciada em junho.

(Com agência Reuters)

Publicidade