Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Anonymous e LulzSec atacam Sabu, o cracker dedo-duro

Grupos reagem à notícia de que ex-líder coopera com o FBI para desbaratar criminosos e promovem ataque virtual a site de empresa de segurança

Por Da Redação 7 mar 2012, 13h12

Os crackers Anonymous e LulzSec reagiram à informação de que um líder do segundo grupo está cooperando com autoridades para desbaratar as ações criminosas. Na madrugada desta quarta-feira, o Anonymous invadiu virtualmente o site da empresa espanhola de sistemas antivírus Panda Security, que ajudou a Polícia espanhola a prender crackers em fevereiro.

No centro da questão está o americano Hector Xavier Monsegur, conhecido como Sabu, uma das lideranças do LulzSec. Preso em meados de 2011, ele vem cooperando desde então com o FBI, a polícia federal americana.

Em resposta, os crackers publicaram uma mensagem no site da Panda Security: “Sabemos que Sabu nos dedurou. O FBI ameaçou separá-lo de seus filhos. Nós entendemos, mas também somos família – lembra do que costumava falar?”, diz a mensagem, referindo-se à prática de Sabu de chamar os membros do LulzSec de “irmãos” no Twitter. “Não conseguimos imaginar como é a sensação de se olhar no espelho e ver o rosto de alguém que vendeu seus amigos à Polícia.” Os crackers também publicaram e-mails e senhas de funcionários da Panda e oferecem apoio aos membros detidos.

Sabu é acusado de praticar 12 crimes – incluindo ataques virtuais às empresas Visa, Mastercard e Sony. As acusações poderiam motivar uma pena de 124 anos de prisão. O cracker, que tem 28 anos de idade, se declarou culpado em agosto e concordou em cooperar com as autoridades americanas. Em troca, deve ter a pena reduzida.

Depois do acordo, ele continuou participando de ações crackers, como o vazamento de diversos e-mails da empresa de inteligência e análise estratégica Stratfor ao site Wikileaks. O objetivo é que ele atuasse como uma espécie de agente infiltrado, repassando informações às autoridades.

Racha cracker – As consequências da divulgação da delação premiada de Sabu dividem os analistas. Há quem acredite que será um duro golpe nos crackers; há quem julgue que o fato vai motivá-los ainda mais. “Vai ser muito difícil para o Anonymous se recuperar de uma traição tão grande”, disse Mikko Hypponen, pesquisador da área de segurança da empresa F-Secure, ao jornal americano The New York Times. Já Graham Cluley, consultor da companhia Sophos, aposta no contrário. “Existem muitas pessoas que simpatizam com o Anonymous e que continuarão os ataques”, disse Cluley, em entrevista ao jornal inglês The Guardian.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)