Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Amazon inaugura venda de artigos de moda e esportes no Brasil

Gerente-geral da seção de moda fala sobre as novidades 'importadas' para a versão brasileira do site. A empresa acompanha crescimento do e-commerce no país

Nesta quarta-feira, a Amazon inaugurou duas novas lojas dentro do seu site. Agora, a gigante do varejo disponibilizará aos seus clientes produtos de marcas brasileiras e internacionais que oferecerão roupas, acessórios e artigos esportivos. As 350 mil novas mercadorias serão adicionadas aos já existentes 15 milhões de itens oferecidos no portal nacional da companhia. Desde outubro do ano passado, a empresa ofertava aos usuários do Brasil marketplaces – tipo de portal de e-commerce em que outros lojistas podem ofertar seus itens – de produtos eletrônicos e de casa e cozinha.

A inovação é, na verdade, uma expansão de projetos já consolidados nos websites americano, mexicano, japonês, entre outros. Agora, o vendedor que entrar no marketplace na página do Brasil poderá comercializar também nos sites dos Estados Unidos, México e Canadá. Como mais de 50% de todas as vendas da Amazon em 2017 são fruto desse tipo de vendas, o investimento da varejista nesse segmento é muito coerente.

A tela do usuário que acessar a página de Moda terá as opções “feminina” e “masculina”, além de “infantil”, “sustentável”, entre outros.

A tela do usuário que acessar a página de Moda terá as opções “feminina” e “masculina”, além de “infantil”, “sustentável”, entre outros. (Arquivo/Divulgação)

Essa aposta vem em um momento próspero do negócio online no Brasil. No começo de 2018, a expectativa era de que o e-commerce expandisse em 15% até o fim do ano, o que representaria um aumento em comparação com o ano anterior. Entre maio de 2017 e 2018, o avanço nessa área foi de 12,5%. Essa ampliação se deve, em grande parte, à popularização de smartphones e aparelhos tecnológicos em geral. Com mais acesso a lojas virtuais, essa forma de fazer compras torna-se mais comum.

Soma-se a isso o interesse de grande parte da população em comprar especificamente roupas e acessórios via internet: uma pesquisa de 2015 revelou que 32% da procura das mulheres em sites de e-commerce são relacionadas a artigos de moda. Assim, fica simples de entender o interesse da companhia norte-americana em investir no mercado brasileiro.

Com a entrada da Amazon em um mercado em expansão, a próxima questão se torna patente: como ingressar em um nicho já populado por tantas páginas no Brasil, como a Netshoes, o Walmart e as Lojas Americanas?

Segundo o gerente-geral de Amazon Moda para o país, Otávio Alves, o maior diferencial dos novos sites da empresa é a “Garantia de A a Z” que a companhia oferece. Isso significa que todos os clientes que tiverem problemas durante as transações terão apoio da empresa, da própria Amazon, para resolver a situação e podem ser reembolsados. A questão é se essa característica será suficiente para fazer o brasileiro mudar seus hábitos de compra e buscar outros portais na hora de decidir por uma nova roupa. 

De qualquer modo, é quase certo que a novidade da gigante americana vai reorganizar o universo do e-commerce no país e exigirá que seus concorrentes repensem suas estratégias. Afinal, não é fácil competir com um empreendimento cujo dono é o homem mais rico da história moderna.