Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Por que veganos e vegetarianos têm maior risco de demência

Carne e ovo fornecem substâncias protetoras do cérebro contra doenças neurodegenerativas, como colina, ômega-3 e vitamina B12

Por Redação - Atualizado em 4 nov 2019, 17h53 - Publicado em 4 nov 2019, 17h25

O número de veganos e alguns tipos vegetarianos que não consomem alimentos de origem animal, como carne, ovos e leite, tem crescido drasticamente. Pois um especialista surpreendeu ao mostrar que esse tipo de dieta leva a um risco maior risco de demência e outros problemas de saúde mental.

Isso porque carne, peixes e ovos fornecem ao corpo substâncias químicas importantes na proteção do cérebro. Sem elas, portanto, o organismo está menos protegido. “Famosos aparecem o tempo todo falando sobre como a carne vermelha não é saudável, mas na verdade ela é uma grande fonte da energia que o cérebro necessita”, comentou Max Lugavere, pesquisador e autor do livro Genius Foods (Comida de Gênios, em tradução livre), ao jornal The Telegraph.

O consumo de carne ainda fornece altas doses de ferro, que exerce papel importante na saúde cerebral.

As consequências

Uma pesquisa descobriu que mulheres que não consomem as quantidade recomendada de carne vermelha por semana (até 500 gramas) estão mais propensas a serem diagnosticadas com transtorno de humor, como depressão e ansiedade. Esses resultados também podem ser aplicados aos homens. 

Publicidade

A importância do ovo

Um dos principais alimentos a impactar na saúde do cérebro é o ovo. Ele contém colina, uma vitamina do complexo B, que pode diminuir o risco de demência em 28%. “A colina é realmente importante e está concentrada em produtos de origem animal: uma gema de ovo tem cerca de 25% da necessidade diária. Essa substância pode ser encontrada em vegetais, mas em quantidades muito menores”, disse.

O alerta em relação ao ovo também serve para pessoas que comem apenas a clara dos ovos.

Estudos tem reportado que os vegetarianos restritos também apresentam menores concentrações nos tecidos de ômega-3 e vitamina B12 o que pode aumentar o risco para a depressão.

Outras fontes nutricionais

O pesquisador recomendou o consumo de abacates, amêndoas, azeite extra-virgem e vegetais crucíferos, como brócolis, couve-flor, rabanete, além de chocolate amargo e cogumelos, para garantir os nutrientes necessários para a boa saúde do cérebro. Outra dica é se exercitar regularmente. 

Publicidade

Ele ainda destacou que é possível melhorar a saúde cerebral de pessoas que não comem carne com suplementação. “Estudos mostram que veganos e vegetarianos que tomam suplemento a base de creatina apresentam melhores resultados de memória”, explicou.

Publicidade