Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Uso prolongado de tamoxifeno reduz recidiva de câncer

Droga é mais eficaz quando usada por ao menos cinco anos

Por Da Redação 22 mar 2011, 17h33

A droga é responsável por reduzir as chances de uma mulher desenvolver câncer de mama ao interferir na atividade do hormônio estrogênio no corpo

Pacientes que enfrentaram o câncer de mama e foram tratados com a droga genérica tamoxifeno durante cinco anos têm menos chances de sofrer uma recidiva da doença do que aqueles medicados por apenas dois anos, concluiu estudo realizado por cientistas do Instituto do Câncer da Universidade Global de Londres. A pesquisa, publicada no Journal of Clinical Oncology, acompanhou 3.500 pacientes durante dez anos. Foi registrada reincidência do câncer em cerca de 40% dos pacientes que usaram o medicamento por cinco anos, ante o reaparecimento de 46% entre os demais.

“Mulheres diagnosticadas com câncer de mama em estágio inicial recebem a prescrição do medicamento por cinco anos, mas sabemos que muitas suspendem a medicação depois de dois ou três anos”, diz o pesquisador Allan Hackshaw. “Infelizmente nossos resultados sugerem que, ao fazer isso, elas aumentam as chances de voltar a ter a doença.”

Utilizado há cerca de 30 anos, o tamoxifeno é amplamente indicado por especialistas como complemento à cirurgia e à quimioterapia. A droga é responsável por reduzir as chances de uma mulher desenvolver câncer de mama ao interferir na atividade do estrogênio no corpo.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, o medicamento tem efeitos colaterais, como o aumento de risco de coágulos no sangue, do desenvolvimento de câncer uterino e de catarata. No entanto, os especialistas defendem que os benefícios da droga superam seus eventuais danos.

O câncer de mama mata por ano cerca de 500.00 pessoas em todo o mundo. Anualmente também são diagnosticados 1,3 milhão de casos da doença.

Coração – Além de diminuir as chances do retorno do câncer, o tamoxifeno, quando tomado durante cinco anos, também reduziu as chances de problemas cardíacos. Esse efeito foi mais forte em mulheres que enfrentaram o tumor entre 50 e 59 anos de idade. Nesse grupo, os riscos de doenças cardíacas caíram 35%.

Saiba mais

Dr. Antonio Wolff

O oncologista Antonio Wolff é especialista em câncer de mama. Está começando um projeto de pesquisa com 8.000 mulheres, que fará testes com dois remédios – trastuzumabe e lapatinibe. Os primeiros resultados deverão começar a aparecer em dois anos.

Formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Wolff é pesquisador da Universidade Johns Hopkins há doze anos. Ali, atende pacientes duas vezes por semana e estuda, faz pesquisas, dá palestras. Seu foco é no que pode ser feito para melhorar a vida do paciente.

Prevenção Quais são os sintomas do câncer de mama? O autoexame é eficaz?

Vídeo

Continua após a publicidade

Há alguma mudança em hábitos de vida que previnem o câncer de mama?

Vídeo

Continua após a publicidade

A mastectomia preventiva é válida como prevenção? Quais são os critérios que devem ser levados em conta antes de se submeter a uma cirurgia do tipo?

Vídeo

Continua após a publicidade

É verdade que alguns hormônios podem estimular o crescimento de tumores? Quais são as consequências disso para o cotidiano das mulheres, que deixam de fazer reposição hormonal?

Vídeo

Continua após a publicidade

Qual a necessidade de fazer mamografia? Porque ainda não inventaram um método melhor, menos doloroso?

Vídeo

Continua após a publicidade

Tratamento O citrato de tamoxifeno é um remédio ainda utilizado nos EUA?

Vídeo

Continua após a publicidade

É verdade que a radioterapia pode não ajudar em nada – e até prejudicar?

Vídeo

Continua após a publicidade

Por que medicamentos iguais não funcionam da mesma forma para todas as pessoas?

Vídeo

Continua após a publicidade

Qual o risco do câncer voltar mais forte e em outros lugares do corpo após o término do tratamento?

Vídeo

Continua após a publicidade

Existem medicamentos para diminuir os efeitos colaterais da quimioterapia?

Vídeo

Continua após a publicidade

Perguntas gerais Por que o câncer de mama é menos frequente nos homens?

Vídeo

Continua após a publicidade

Há registros de doentes que se curaram por completo após uma metástase e é possível uma sobrevida acima de cinco anos?

Vídeo

Continua após a publicidade

É possível participar das pesquisas conduzidas na Universidade Johns Hopkins?

Vídeo

Continua após a publicidade

Quais as probabilidades dos filhos de uma pessoa com câncer também desenvolverem a doença? E o que fazer para evitar?

Vídeo

Continua após a publicidade

Quais as chances de ter uma vida normal após o câncer?

Vídeo

Continua após a publicidade

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.

(Com Agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)