Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Universidades vão debater alteração no curso de medicina

Representantes de 11 cursos formaram comissão para estudar a incorporação dos dois anos de serviço obrigatório no SUS no tempo de residência

Uma comissão formada por representantes de 11 cursos de medicina de universidades federais discutirá como os dois anos de serviço obrigatório no Sistema Único de Saúde (SUS), previstos como segundo ciclo na formação dos médicos, podem ser incorporados no tempo de residência. A princípio, proposta do governo, anunciada na última semana, é de que esses dois anos de trabalho na rede pública sejam acrescentados na graduação, que passaria a durar oito anos em vez de seis.

A comissão foi formada nesta terça-feira para, segundo o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, aprimorar as propostas do Mais Médicos, sobretudo a de levar profissionais para o interior e o segundo ciclo. Mais de cem profissionais das 59 federais estiveram na reunião.

Leia também:

USP pede que MP dos Médicos seja retirada de pauta

Para se tornar cirurgião, por exemplo, um médico já precisa passar por uma residência de dois anos. Segundo Mercadante, a discussão sobre como combinar esses dois prazos é forte. Outro ponto que será avaliado é a forma de acompanhamento dos estudantes no ciclo final de dois anos. “Como são profissionais do SUS que vão acompanhar os estudantes, temos de definir como esse trabalho será feito”, afirma Mercadante.

O ministro ressaltou que a comissão terá 180 dias para discutir antes de as propostas seguirem para o Conselho Nacional de Educação. “A própria estrutura curricular do curso pode sofrer ajuste com base nas novas iniciativas”, diz Mercadante.

Protestos – Médicos de todo o país realizaram mais uma manifestação nesta terça-feira contra o programa do governo federal Mais Médicos e contra os vetos da presidente Dilma Rousseff a artigos do Ato Médico – entre eles, o que dá exclusividade à classe médica a formulação de um diagnóstico e prescrição de tratamento. A classe também pede a obrigatoriedade da aplicação do Revalida para médicos formados no exterior que vierem trabalhar no Brasil.

(Com Estadão Conteúdo)