Clique e assine a partir de 8,90/mês

Um sóbrio recuo: em dez anos, consumo de álcool na Rússia cai quase 40%

No país da vodca, os hábitos foram alterados por políticas do governo de Vladimir Putin — que não bebe. Sucesso parcial pode ser replicado no Brasil

Por Giulia Vidale - Atualizado em 11 out 2019, 11h08 - Publicado em 11 out 2019, 06h00
VESTIBULAR – Stalin: seus assessores passavam pelo obrigatório teste das madrugadas regadas a vodca reprodução/Reprodução

Na Rússia, a vodca foi sempre uma religião, um regime político e um estado de espírito — além de, ou especialmente, um problema de saúde pública. Em meados dos anos 2000, a expectativa de vida média dos russos era de apenas 60 anos, próxima à do Haiti, resultado atribuído, sobretudo, ao descontrolado consumo de álcool. Melhorou um pouco, hoje chega a 72 anos — dado estatístico espremido entre Bangladesh e Venezuela. No Brasil, vive-se até os 75 anos. Em Hong Kong e Japão, os líderes de sobrevivência, o pico final é de 84 anos.

O destilado à base de cereais ultrapassava todas as barreiras ideológicas — o derradeiro czar, Nicolau II, vangloriava-se de encher a cara; Stalin escolhia seus mais próximos assessores depois de maratonas noturnas nas quais era proibido pousar os copos na mesa. Mikhail Gorbachev deu de aplicar a perestroika aos beberrões, movimento que acelerou o colapso do comunismo: em 1985, ele restringiu a venda de bebida alcoólica aos trabalhadores, que abandonavam as linhas de montagem com muita frequência e precocemente. Como os impostos sobre a vodca representavam um quarto de todo o Orçamento soviético, o resultado foi uma queda acelerada nas receitas do governo. O Kremlin tentou tapar buraco imprimindo mais dinheiro, atalho para a hiperinflação e a crise final dos filhos de Lênin. Veio o rosto vermelhão e inchado de Boris Ieltsin, e vache zdoróvie, “à sua saúde”, quase uma contradição em termos.

Quem teria coragem de mexer com a vodca? O czar moderno Vladimir Putin teve — e, dizem as más línguas, ele não bebe. A novidade: um recente levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou o improvável: de 2005 a 2016, o consumo de álcool per capita caiu de 18,7 litros para 11,7 litros anuais, uma subtração de quase 40%. A diferença é do tamanho da ingestão alcoólica dos brasileiros, atualmente na casa dos 7,8 litros a cada doze meses. Mas, afinal de contas, qual foi o milagre? Políticas de governo destinadas a alterar os hábitos. A Rússia definiu um preço mínimo lá em cima para a vodca e outros destilados, como acontece com o cigarro no Brasil. Aumentou gradativamente o imposto sobre bebidas alcoólicas. Proibiu o consumo de álcool na rua e a venda entre as 23 e as 8 horas e determinou restrições de publicidade e propaganda. Deu certo, especialmente com a vodca — mas em grau menor com a cerveja e o vinho. Ressalve-se que até 2013 a cerveja nem era considerada bebida alcoólica na Rússia, condição que a fez popularíssima e, como consequência, perigosa.

VERMELHOS – Em frente ao Kremlin: a bebida como um traço cultural russo Dmitry Kostyukov/AFP

O movimento russo, bem-sucedido, impõe uma indagação: funcionaria no Brasil? Em parte, sim, e há bons exemplos. A Lei Seca imposta aos motoristas a partir de 2008 evitou pelo menos 41 000 mortes no trânsito ao longo de dez anos, com queda de 15% no número de fatalidades. Numa boa repercussão paralela, o consumo per capita de bebida no cotidiano também caiu, 11%. “Em comparação com a Rússia, nossas iniciativas são menos robustas, mas igualmente positivas e definitivas”, diz o psiquiatra Arthur Guerra, presidente do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool. Para Pedro de Paula, diretor da Vital Strategies Brasil, organização privada de apoio a estruturas governamentais, “limitar a oferta e dificultar o acesso são iniciativas comprovadamente eficazes”. Sem dúvida, porém a atenção precisa ser permanente — houve, sim, queda no consumo contumaz de álcool no Brasil, mas nos últimos seis anos aumentou em assustadores 53% o hábito de beber pesado de maneira episódica, comum entre os jovens, notícia especialmente preocupante, que pede sobriedade.

Publicado em VEJA de 16 de outubro de 2019, edição nº 2656

Continua após a publicidade
Publicidade