Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Uber de órgãos’: drone faz primeira entrega de rim para transplante

A nova tecnologia será capaz de contornar as potenciais complicações de logística do transporte, garantindo eficiência na entrega e qualidade do órgão

Por Redação
Atualizado em 1 Maio 2019, 19h36 - Publicado em 1 Maio 2019, 18h25

A doação de órgãos não depende apenas do consentimento da família para acontecer. Na verdade, é um processo longo e complicado cujo principal problema pode ser a logística. Isso porque o tempo de viabilidade de um órgão (tempo entre a retirada e implantação no recipiente) pode dificultar a doação entre indivíduos distantes ums dos outros.

Para resolver esse problema, especialistas em medicina, engenharia e aviação se reuniram para criar um sistema de entrega utilizando um drone. De acordo com o Centro Médico da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, o método foi testado pela primeira vez durante a entrega de um rim para um paciente que aguardava pelo transplante há oito anos.

Os pesquisadores informaram que o drone não apenas fez a entrega, como também monitorou e manteve os critérios de viabilidade do órgão, como a temperatura do rim. Com tantos recursos, o equipamento poderia permitir aos médicos contornar as potenciais complicações de logística relacionadas ao transporte de órgãos, garantindo eficiência na entrega e qualidade do órgão. “Por incrível que esse avanço pareça do ponto de vista da engenharia, há um objetivo maior em jogo. Não se trata da tecnologia; trata-se de melhorar a vida humana”, comentou Darryll J. Pines, da Universidade de Maryland, à CNN.

Para os pesquisadores, o sucesso da operação indica que, em breve, o recurso pode se tornar a forma mais rápida, segura e econômica para enfrentar a limitação de tempo do transplante. A iniciativa ampliaria o acesso ao procedimento, já que muitos órgãos deixam de ser implantados devido a atrasos na entrega. “É como um Uber para órgãos”, comentou Joseph Scalea, da Universidade de Maryland, ao The New York Times.

O drone

Para garantir o êxito da operação, os pesquisadores incluíram diversas inovações tecnológicas no drone. Elas incluíram conjuntos de transmissão para garantir desempenho consistente e confiável – inclusive diante da possibilidade de falha do componente, uma rede wireless para controlar e monitorar o status do drone e permitir a comunicação com a equipe, além de hélices reserva, baterias duplas e um paraquedas para proteger a carga em caso de pane completa. “Instalamos todos esses excessos porque queremos fazer todo o possível para proteger a carga”, disse Anthony Pucciarella, diretor de operações, à CNN. 

Antes da realização da primeira entrega, foram realizados 44 voos-teste – um total de 700 horas – nos quais foram transportados  soro fisiológico, tubos de sangue e outros materiais médicos. Outro teste transportou um rim humano não viável. Segundo a equipe, o voo durou cerca de cinco minutos e ocorreu sem nenhum problema.

“Essa coisa toda é incrível. Anos atrás, isso não era algo em que você pensaria”, disse Trina Glispy, enfermeira de 44 anos que recebeu o órgão, ao The New York Times. Durante oito anos, Trina fez hemodiálise enquanto aguardava na lista de espera para receber o transplante. 

A atual forma de entrega envolve meios de transporte tradicionais, incluindo helicópteros e aviões. No entanto, estas modalidades estão sujeitas a imprevistos, como atrasos causados por mau tempo, trânsito ou tráfego aéreo movimentado – o que pode interferir na viabilidade do órgão. Nos Estados Unidos, por exemplo, cerca de 1,5% das remessas não chegam ao destino pretendido e quase 4% têm atraso imprevisto de duas ou mais horas, segundo a Rede Unida para Compartilhamento de Órgãos (UNOS, na sigla em inglês). 

Continua após a publicidade

Para Scalea, a nova tecnologia será capaz de permitir aos pacientes acesso ao órgãos “marginais” – órgãos que perderiam a viabilidade diante de qualquer tipo de atraso no tempo de entrega. Isso acrescentaria até 2.500 rins por ano ao grupo de doadores. “Ainda existe uma disparidade lamentável entre o número de receptores na lista de espera e o número total de órgãos transplantáveis. Essa nova tecnologia tem o potencial de ajudar a ampliar o pool de órgãos de doadores e o acesso ao transplante”, disse o especialista em comunicado. 

O vídeo da operação pode ser encontrado no site da universidade.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.