Clique e assine a partir de 9,90/mês

SP interdita 58 bares no primeiro fim de semana com abertura noturna

Estabelecimentos podem funcionar até às 22h com regras de distanciamento; desde o começo da quarentena, 943 endereços foram penalizados pela prefeitura

Por Mariana Rosário - Atualizado em 9 ago 2020, 16h09 - Publicado em 9 ago 2020, 15h58

A prefeitura de São Paulo informou neste domingo, 9, que interditou 58 bares no primeiro fim de semana após a liberação para funcionamento até às 22h em toda a capital.

Foram 26 bares interditados na sexta-feira, 7, nas regiões da Mooca, Itaquera, Santana, São Mateus, Sé e Vila Mariana. Já no sábado, 8, foram 32 bares interditados em regiões como Campo Limpo, Aricanduva, Freguesia do Ó, Guaianases, Perus, Ipiranga, Vila Prudente entre outros.

ASSINE VEJA

A nova Guerra Fria Na edição desta semana: como a disputa entre Estados Unidos e China pode ser vantajosa para o Brasil. E mais: ‘Estou vivendo o inferno’, diz Marcelo Odebrecht
Clique e Assine

A fiscalização é feita diariamente para detectar quais endereços excedem o horário permitido pela legislação atual e se estão disponibilizando mesa nas calçadas, o que é proibido. Desde o começo da pandemia, foram 943 estabelecimentos interditados por descumprirem regras da prefeitura. Do total, 542 são bares, lanchonetes, cafeterias entre outros.

O valor da multa para cada um destes endereços é de 9.231,65 reais aplicada a cada 250 metros quadrados do estabelecimento. A reabertura ocorre por meio de autorização da subprefeitura da região.

A autorização para que bares funcionassem até 22 horas ocorreu na última quarta-feira, 5. Até então, a abertura destes endereços era liberada até, no máximo, às 17h. O primeiro dia com a flexibilização de horário foi a quinta-feira, 6, mas neste dia não houve interdições, diz a prefeitura.

Para todos os locais, a ocupação de, no máximo, 40% da capacidade total é obrigatória. O prefeito da cidade, Bruno Covas (PSDB), chegou a anunciar na semana passada, testes do uso de mesas na calçadas. O projeto piloto busca avaliar a viabilidade da permissão desta medida, de forma segura.  A intervenção começará em estabelecimentos localizados no centro da cidade e, se der resultados positivos, poderá expandir-se para toda a cidade.

 

Continua após a publicidade
Publicidade