Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Solidão pode ser mais fatal do que a obesidade, afirma estudo

O isolamento social pode elevar o risco de morte prematura em até 50%, segundo estudo

Por Da Redação
Atualizado em 10 ago 2017, 14h49 - Publicado em 9 ago 2017, 19h03

A solidão pode ser um risco para a saúde tanto quanto a obesidade, de acordo com um novo estudo apresentado no congresso anual da Associação Americana de Psicologia. O estudo sugere que sentir-se solitário, isolar-se socialmente e viver sozinho aumenta o risco de morte prematura em até 50% – enquanto a convivência social poderia prevenir esse risco na mesma medida. De forma contrastante, a obesidade eleva o risco de morte antes dos 70 anos em até 30%.

Efeito da solidão

Pesquisadores da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, observaram 218 estudos, que envolveram, no total, cerca de 4 milhões de pessoas de vários países sobre os efeitos da solidão sobre a saúde.

Apesar de não especularem sobre o que poderia causar essa relação de risco, pesquisas anteriores já identificaram uma associação entre a qualidade de vida – que envolve as relações humanas – e a expectativa de vida. Além disso, a solidão poderia prejudicar o sistema imunológico da pessoa.

Importância social

Para a autora do estudo, Julianne Holt-Lunstad, professora de psicologia da instituição, as pessoas deveriam preparar-se para a aposentadoria social assim como se preparam para a financeira – afinal, para muitos, o local de trabalho é a principal fonte de relações sociais. “A conexão social é amplamente considerada uma necessidade humana, crucial tanto para o bem-estar quanto para a sobrevivência”, disse a especialista. “Há evidências sólidas de que o isolamento social e a solidão aumentam significativamente o risco de morte prematura e a magnitude desse risco excede a de muitos indicadores de saúde.”

Continua após a publicidade

No estudo, os pesquisadores sugerem que habilidades sociais deveriam ser ensinadas na escola, assim como ser incentivadas pelos médicos, principalmente aos pacientes mais velhos. Pessoas em idade de aposentadoria deveriam planejar ou participar de encontros sociais, por exemplo. “Com um crescente envelhecimento da população, o efeito sobre a saúde pública só deverá aumentar. De fato, muitos especialistas sugerem que estamos enfrentando uma ‘epidemia de solidão’. O desafio que enfrentamos agora é como solucionar esse problema.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.