Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sociedade Americana de Urologia muda diretrizes para prevenção de câncer de próstata

Exame de PSA passa a ser recomendado apenas para pacientes entre 55 e 69 anos, desde que não estejam no grupo de maior risco

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 10h13 - Publicado em 21 Maio 2013, 18h42

A Sociedade Americana de Urologia redefiniu a faixa etária para a qual recomenda o exame PSA (antígeno prostático específico) como forma de prevenir o câncer de próstata. A orientação anterior era de que o homem deveria se submeter ao PSA a partir dos 50 anos. Após uma ampla revisão da literatura médica, que abrangeu pesquisas de 1995 até 2013, a instituição decidiu indicar o procedimento apenas para pacientes de 55 a 69 anos. No caso dos grupos de risco, continua valendo a recomendação do teste a partir dos 40 anos de idade.

A mudança, apresentada em 6 de maio, foi motivada pela conclusão de que o benefício para pacientes fora dessa faixa etária não compensa os riscos do exame. O PSA é considerado um importante marcado do câncer de próstata. No entanto, o exame é muito sensível e pouco específico: detecta muito facilmente alterações no marcador, mas não é capaz de especificar a causa dessa alteração – que muitas vezes não é um câncer.

Saiba mais

PSA

PSA é a sigla em inglês para antígeno prostático específico, uma proteína produzida pelas células da próstata e considerada um importante marcador biológico para determinar o risco de desenvolver o câncer de próstata. O exame de PSA sozinho, no entanto, não é capaz de fornecer informações suficientes para determinar se o paciente tem ou não a doença.

“O PSA pode ser alterado pela hiperplasia benigna da próstata (tumor benigno), infecções da próstata e às vezes até mesmo sem nenhuma razão aparente. Por isso ele não é um marcador muito bom”, explica Joaquim Claro, urologista e coordenador do Centro de Referência da Saúde do Homem, em São Paulo.

Continua após a publicidade

Para descobrir o que causou a alteração do PSA, o paciente precisa ser submetido a uma biópsia retal. Esse procedimento, porém, envolve uma série de riscos, como a possibilidade de sangramentos, complicações em virtude da anestesia e, principalmente, infecções, que podem até levar à morte. “Tem ainda o lado emocional. Se um paciente mais jovem faz o teste e encontra uma alteração, ele pode ficar preocupado e sofrer – e pode ser que não tenha o câncer”, afirma Claro.

Nova diretriz – Foi pesando nesses casos que a Sociedade Americana de Urologia decidiu modificar a recomendação desse exame. Enquanto o número de biópsias com resultado negativo é muito alto no grupo até 54 anos, na faixa entre 55 e 69 anos esse número é menor, justificando a realização do teste de PSA e, consequentemente, da biópsia. A partir dos 70 anos, a Sociedade considera que, dependendo da expectativa de vida do paciente e levando-se em consideração que o câncer de próstata é de evolução lenta, o paciente pode não se beneficiar do tratamento da doença, que pode levar até 20 anos para manifestar sintomas.

Leia também:

Afinal, o PSA é útil ou não para definir o tratamento de câncer de próstata?

Queda da testosterona está ligada à recorrência do câncer de próstata

Continua após a publicidade

Grupo de risco – A diretriz para uso do PSA não sofreu nenhuma alteração no caso dos grupos de risco para o câncer de próstata, que incluem pacientes com histórico familiar da doença (principalmente pais e irmãos) e negros. Para eles, o PSA é recomendado a partir dos 40 anos.

A diretriz, porém, tem caráter de orientação. O paciente ainda pode exigir a realização do procedimento, alerta Joaquim Claro. “A Sociedade Americana de Urologia é muito rigorosa e respeitada no meio científico, então urologistas do mundo inteiro acabam levando em consideração suas recomendações. Mas é claro que elas não têm força de lei”, explica.

A mudança de diretrizes, porém, não altera em nada a recomendação do exame de toque prostático, que deve ser feito por todos os homens acima dos 50 anos de idade e a partir dos 40 anos para grupos de risco.

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.