Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dobra a procura por medicamentos em fase de estudos do país

As autorizações, concedidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, representam esperança para pacientes com doenças graves, como o câncer de pulmão

Por Da redação 17 out 2016, 12h21

O número de pedidos para medicamentos ainda em fase de estudos, para pacientes com quadros graves que não têm outra alternativa terapêutica, vem crescendo no país. É o chamado “uso compassivo”. Nos últimos dois anos, a quantidade de autorizações dadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mais do que dobrou.

Em 2014, 152 pacientes obtiveram a autorização de uso compassivo de algum medicamento. Neste ano, até setembro, o número subiu para 393, a maioria relacionada a remédios oncológicos, segundo dados da própria agência. A liberação é necessária porque, como ainda estão em fase de estudo, esses tratamentos ainda não têm registro no país. 

Os laboratórios farmacêuticos, responsáveis pela maioria das pesquisas clínicas de novos medicamentos, têm a opção de oferecer programas de uso compassivo. Caso ofereçam, o tratamento deve ser fornecido gratuitamente ao paciente por tempo indeterminado. Mas, mesmo quando há um programa aberto, o interessado precisa de prescrição médica e autorização da Anvisa.

Leia também:
Medicamento com ação inédita contra câncer de pulmão chega ao Brasil
Imunoterapia traz esperança no tratamento de melanoma e câncer agressivo de pulmão

Esperança

Diagnosticado com câncer de pulmão em 2013, o advogado Cícero Ribeiro de Paiva, de 66 anos, conseguiu no mês passado ser incluído em um desses programas. Depois que descobriu a doença, ele chegou a fazer o tratamento tradicional por três anos.

No início de 2016, porém, a doença deixou de responder ao medicamento e o câncer voltou a crescer. “Tive metástase. O número de tumores passou de um para cinco. Fiquei apavorado. Se eu não fizesse nada, era esperar para morrer, porque não tinha mais nada disponível no Brasil para o meu tipo de câncer”, conta.

O médico responsável pelo tratamento de Paiva soube de uma droga promissora para combater a doença que já estava sendo usada em outros países e conseguiu incluir o paciente no programa de uso compassivo. “Comecei a tomar o remédio em setembro e minha esperança é que, desta vez, dê resultado”, diz o advogado.

 

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês