Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Saúde pretende vacinar 12,7 milhões de crianças contra paralisia

A campanha nacional de vacinação será realizada entre 8 e 28 de novembro e pretende imunizar também 10,9 milhões contra o sarampo

O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira que pretende vacinar 12,7 milhões de crianças contra a paralisia infantil neste ano. A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo e a Paralisia Infantil será realizada entre 8 e 28 de novembro e quer atingir 95% do público-alvo, formado por crianças de 6 meses a 5 anos.

A vacina contra a poliomielite – responsável pela paralisia infantil – é uma dose de reforço anual e será ofertada na forma oral. Serão 17,8 milhões de doses distribuídas em todo o Brasil. Apenas as crianças que estão com a cartela de vacinação atrasada tomarão a dose injetável. As primeiras doses devem ser tomadas aos dois meses de idade.

As criançasentre 1 ano e 5 anos receberão também a vacina contra o sarampo, a tríplice viral, que protege ainda contra caxumba e rubéola. A estimativa é que 10,9 milhões de crianças recebam as 12,5 milhões de doses distribuídas – no Estado do Ceará e em alguns municípios de Pernambuco, a vacinação foi antecipada para interromper a transmissão do vírus devido ao registro de casos da doença neste ano e em 2013, de acordo com o Ministério.

As vacinas estarão disponível em cerca de 100 000 postos de saúde e, a partir da próxima semana, entram no ar os anúncios da campanha.

Leia também:

“As pessoas se esqueceram de como algumas doenças são ruins”

Vírus da pólio é encontrado no esgoto do aeroporto de Viracopos

Riscos no Brasil – Por conta da vacinação, o Brasil está livre da poliomielite desde 1990. No entanto, dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que entre 2013 e 2014, dez países registraram casos da doença.

A pólio é uma doença infectocontagiosa grave. Na maioria dos casos, a criança adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada pelo poliovírus e a infecção se dá, principalmente, por via oral.

Já o sarampo teve alguns casos “importados” entre 2013 e 2014 – desde 2000 foram registrados pelo menos de 519 casos de sarampo no país. Todos estão relacionados à chegada de turistas contaminados vindos da Europa, Ásia e África. Desde janeiro 2013, foram registrados 303 casos da doença no país, com surtos no Ceará e em Pernambuco. Nos dois casos, exames indicaram o subtipo D8 do sarampo, comum entre os europeus. De acordo com o Ministério, os últimos casos de contágio da doença no Brasil ocorreram em 2000. No mundo, em 2014, foram registrados 160 mil casos da doença.

O sarampo é uma doença viral aguda grave e altamente contagiosa. Os sintomas mais comuns são febre alta, tosse, manchas avermelhadas, coriza e conjuntivite. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções expelidas pelo doente ao tossir, falar ou respirar. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade do sarampo, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. A única forma de prevenção é por meio da vacina.

Aplicativo para vacinas – O Ministério da Saúde atualizou um aplicativo para tablets e smartphones lançado em 2013, que é uma carteira eletrônica de vacinação. Na nova versão estão disponíveis todas as vacinas ofertadas pelo SUS e o usuário poderá cadastrar até 10 carteiras de vacinação. A partir da inserção da primeira vacina no calendário, o aplicativo calcula quando o usuário deve comparecer novamente para uma nova imunização e envia um lembrete por mensagem.