Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Saúde estima 4,2 milhões de casos de dengue no país em 2024

Número foi divulgado no início de vacinação contra a doença no Brasil; cronograma prevê imunização de grupo de 10 e 11 anos até março

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
9 fev 2024, 12h46

O Ministério da Saúde prevê que o número de casos de dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, pode chegar a 4,2 milhões em 2024. A estimativa foi divulgada nesta sexta-feira, 9, durante o início da campanha de vacinação de jovens contra a infecção no Distrito Federal. O cronograma vai se iniciar com a população de 10 e 11 anos e se estende até a faixa etária dos 14 anos na primeira etapa.

“A estimativa do Ministério da Saúde é de que a gente chegue a 4,2 milhões de casos. Nunca chegamos a esse número, por isso a preocupação com a pressão que pode acontecer nos centros de saúde”, disse Ethel Maciel, secretária da Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente.

Segundo Ethel, há uma série de fatores que têm causado o surto em curso no país, como a antecipação da época de aumento de casos, prevista para o final de março, mas que acabou ocorrendo em janeiro, e o aumento das temperaturas — algo relacionado às mudanças climáticas e ao fenômeno El Niño –.

Dengue
(VEJA/VEJA)

‘Temos a circulação dos quatro sorotipos com a volta de um sorotipo que não circulava há 15 anos e muitas pessoas, principalmente crianças e adolescentes, não tiveram contato com eles. E o comportamento diferente do mosquito, que picava mais no final da tarde ou no começo da manhã e, agora, está picando durante todo o dia.”

Continua após a publicidade

Nesta sexta-feira foi iniciada a campanha de vacinação e, de acordo com a secretária, a população de 10 e 11 anos deve receber a primeira dose da vacina Qdenga, da farmacêutica Takeda, até março. O grupo é estimado em 1,2 milhão de pessoas.

Cronograma de vacinação

Nesta quinta-feira, 8, o Distrito Federal e o estado de Goiás receberam as primeiras doses da vacina contra a dengue. Segundo o ministério, o lote inicial, que conta com 712 mil doses, será encaminhado ainda para Bahia, Acre, Paraíba, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Amazonas, São Paulo e Maranhão, onde serão distribuídas em 315 municípios. Isso corresponde a 60% dos 521 municípios selecionados para a realização da campanha.

Com o envio de novas doses, o cronograma vai contemplar as demais faixas etárias até os 14 anos, grupo prioritário escolhido por ser o mais afetado por episódios que levam à internação.

Estados e municípios brasileiros estão enfrentando um surto de dengue desde o começo do ano e, até o momento, Acre, Distrito Federal, Minas Gerais, Goiás e a cidade do Rio de Janeiro decretaram situação de emergência. Segundo painel de monitoramento do Ministério da Saúde, apenas neste ano foram contabilizados 395.103 casos e 53 mortes pela doença no Brasil.

Continua após a publicidade

Vacina contra a dengue

Em outubro, a OMS recomendou a vacinação contra a doença com foco principalmente em crianças e adolescentes de 6 a 16 anos em países endêmicos, caso do Brasil. Por aqui, o imunizante Qdenga, da farmacêutica japonesa Takeda, foi liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) meses antes, em março.

O Ministério da Saúde anunciou que vai seguir a recomendação da entidade e ofertar o imunizante para essa faixa etária. Com a medida, o Brasil se tornou o primeiro país a incluir a vacina no sistema público de saúde. A previsão é de que a vacinação tenha início neste mês em 521 municípios na faixa de 10 a 14 anos, a mais afetada pela doença.

No mês passado, o país recebeu cerca de 750.000 doses, parte da primeira remessa com 1,32 milhão de doses adquiridas pelo governo brasileiro. Também está prevista a entrega de 568.000 doses ainda neste mês. Neste ano, está prevista a chegada escalonada de mais 5,2 milhões de doses. Para 2025, foram adquiridas 9 milhões de doses.

Crescimento da dengue

Desde 2022, a dengue voltou a crescer no país e, no ano passado, foram registrados 1.658.816 casos e 1.904 mortes. Com a intensificação das notificações já em janeiro deste ano, planos de contingência, tendas e até um hospital de campanha fazem parte das medidas adotadas nas regiões mais afetadas, como a cidade do Rio de Janeiro, que declarou emergência na segunda-feira 5, e o Distrito Federal.

Continua após a publicidade

A doença tem colocado o mundo em alerta por estar se alastrando em novas e antigas regiões com a ajuda das mudanças climáticas, que criam condições propícias para a reprodução e proliferação dos mosquitos. Desde o ano passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou o tom ao se debruçar sobre dados e constatar que, em 2022, as taxas de infecção aumentaram oito vezes em relação ao ano 2000.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.