Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Saúde discute política de doação voluntária de sangue

Por AE

São Paulo – O Ministério da Saúde aprovou nesta semana a proposta da Política Nacional de Promoção da Doação Voluntária de Sangue. Após dois dias de reunião em Brasília, gestores e técnicos da rede de hemocentros do País encaminharam documento propondo mudanças de comportamento e gestão da doação, além da realização de campanhas e ações educativas, com objetivo de manter os estoques da hemorrede. A proposta ainda será submetida à aprovação na Comissão Intergestores Tripartite, que reúne representantes da União, Estados e Municípios. As informações são do site do Ministério da Saúde.

“A manutenção dos estoques está diretamente relacionada à capacidade de mobilizarmos pessoas para doar sangue. Todo esse processo que discutimos no Fórum de Captadores e Gestores da Hemorrede Pública Nacional, em Brasília, girou em torno da definição de diretrizes e indicadores para uma política nacional, na qual serão fundamentados os projetos e estratégias de mobilização que devemos usar para que a população seja doadora de sangue”, disse Guilherme Genovez, coordenador geral de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde.

Para o coordenador, há necessidade de investir em ações de comunicação e educação para a fidelização do doador. Para se tornar um doador de sangue, a pessoa não deve ser portadora de doenças transmissíveis pelo sangue, ter peso acima de 50 quilos e repetir o ato de doar mais de três vezes por ano, por exemplo.

Segundo Genovez, outra vantagem da criação de uma política nacional é a padronização de procedimentos e protocolos para todo o Sistema Único de Saúde (SUS), melhorando o atendimento ao público na hemorrede brasileira. Outro avanço é que a política poderá assegurar mais recursos para a União, Estados e Municípios.

A proposta foi discutida durante o 1º Fórum de Captadores e Gestores da Hemorrede Pública Nacional, encerrado na quarta-feira em Brasília.

AE