Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

São Paulo registra primeiro caso de zika — febre ‘prima’ da dengue

Um homem de 52 anos, morador de Sumaré, interior do Estado, apresentou teste positivo para a doença nesta sexta-feira

Por Da Redação - 22 maio 2015, 14h59

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo confirmou nesta sexta-feira o primeiro caso da febre zika, doença parecida com a dengue. Um homem de 52 anos, morador de Sumaré, região de Campinas, no interior, apresentou teste positivo para a doença.

Transmitido pelo Aedes aegypti, o mesmo mosquito da dengue, o vírus zika já infectou dezesseis pessoas em dois Estados brasileiros — Rio Grande do Norte e Bahia. Os sintomas da doença são dores nas articulações, no corpo e na cabeça, febre, náuseas e diarreia. Além disso, o doente também pode apresentar fotofobia, conjuntivite e erupções na pele.

LEIA TAMBÉM:

Ministério da Saúde confirma nova doença transmitida pelo mosquito da dengue

Publicidade

Dengue: um desafio há 25 anos

O paciente de Sumaré, no entanto, não tinha viajado nas duas semanas anteriores à apresentação dos sintomas. Ou seja, trata-se de um caso autóctone — que não foi importado de outros locais. O homem foi atendido na rede municipal de saúde e já recebeu alta. A região em que mora passará por nebulização nesta sexta-feira na tentativa de eliminar o mosquito e evitar novos casos.

Os primeiros sinais da infecção pelo zika aparecem entre três a doze dias após a picada do mosquito e duram de quatro dias a uma semana. Ainda não se sabe como o vírus, originário da África, chegou ao Brasil. Mas os pesquisadores acreditam que ele tenha chegado ao país por meio de turistas durante a Copa do Mundo.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade