Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

As medidas que serão realizadas em SP para conter o coronavírus

Diante da confirmação de transmissão comunitária do vírus no estado, o governo de São Paulo recomenda o cancelamento de eventos e suspende as aulas

Por Da redação Atualizado em 13 mar 2020, 21h01 - Publicado em 13 mar 2020, 20h36

Nesta sexta-feira (13), o Governo do Estado de São Paulo confirmou a transmissão comunitária de coronavírus na capital paulista. De acordo com o infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingenciamento do Novo Coronavírus em São Paulo, dois pacientes com diagnóstico confirmado não viajaram e não tiveram contato com caso confirmado de coronavírus.

Diante da alteração de transmissão local (quando é possível rastrear o transmissor) para comunitária (quando não é possível rastrear o transmissor), João Doria, governador do estado, anunciou uma série de medidas que serão implementadas para conter o avanço do vírus.

As aulas das redes municipal e estadual serão suspensas gradualmente a partir de segunda-feira (16). A suspensão total ocorre a partir do dia 23, por período indeterminado. A recomendação vale também para escolas da rede privada.

A suspensão gradual tem como objetivo permitir que os pais possam se organizar à nova rotina. “Nós não faremos uma interrupção das aulas de qualquer maneira. Tem que ter um planejamento com as famílias. Não adianta parar as aulas e as crianças ficarem com avô e avó, que é o público que mais temos que nos preocupar”, disse o secretário da Educação do estado, Rossieli Soares.

Leia também: O que saber sobre os casos de coronavírus sem sintomas

Continua após a publicidade

Os alunos que tiverem condições de não ir à escola na semana que vem, já deverão ficar em casa, desde que os cuidadores não sejam os avós nem pessoas idosas. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ressalta que o risco da doença para crianças e adolescentes é extremamente baixo, mas suspender as aulas se mostra uma medida de reduzir a velocidade com que as pessoas serão expostas à epidemia e pode ajudar a “achatar a curva” da epidemia.

Apesar de crianças e adolescentes serem assintomáticas ou apresentarem apenas sintomas leves da doença, elas podem servir como fonte de transmissão. Além disso, ao suspender as aulas, há uma redução do número de pessoas nas ruas e no transporte público, por exemplo.

Universidade públicas e privadas devem suspender as classes a partir de segunda-feira (16), segundo orientação do Governo do Estado de São Paulo. A única exceção são cursos da área da saúde que já realizam atendimento ao público e podem ajudar a combater a epidemia. Eventos com mais de 500 pessoas também deverão ser cancelados.

Oficialmente, o estado tem 56 casos de coronavírus confirmados até esta sexta-feira (13).

Continua após a publicidade

Publicidade