Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Rússia tem casos de subvariante do coronavírus investigada no Reino Unido

Chamada de AY.4.2, ela é uma derivação da variante Delta. Porém, segundo análises iniciais, é mais transmissível do que a cepa original

Por Simone Blanes 22 out 2021, 16h29

Uma subvariante da variante Delta do coronavírus está preocupando também as autoridades de saúde da Rússia. Trata-se da AY.4.2, considerada mais contagiosa do que a Delta e classificada na categoria “sob investigação” no Reino Unido, onde surgiram os primeiros casos, em julho. De acordo com informações oficiais do estado russo, a subvariante fez novos casos no país. Na quarta-feira 22, a nação decretou feriado de sete dias, na semana que vem, para conter o avanço de uma quarta onda de Covid-19. No mesmo dia,  Moscou decretou lockdown.

Segundo Kamil Khafizov, pesquisador do órgão de vigilância sanitária russo, é possível que a subvariante se espalhe rapidamente, aumentando os números de casos e indicadores relacionados à pandemia. De acordo com o presidente Vladimir Putin, o período de 30 de outubro a 7 de novembro será de “dias sem trabalho”, mas remunerados, sendo que as cidades têm autonomia para prolongar o fechamento de escolas, lojas e restaurantes por mais tempo caso as condições sanitárias não melhorem no local.

Uma das principais causas da nova onda do coronavírus na Rússia é a baixa adesão à vacinação da população. O país, no entanto, foi um dos primeiros a desenvolver uma vacina contra a Covid-19, a Sputnik V, aprovada em maio, só que não conseguiu convencer a maioria de sua população a tomá-la: atualmente, o país registra 34,4% dos russos imunizados com a primeira dose e apenas 31,3% com o ciclo vacinal completo, segundo informações do Our World in Data, ligado à Universidade Oxford.

Com a maior taxa de mortalidade diária no mundo pela pandemia, a Rússia anunciou as novas restrições um dia após o Kremlin relatar uma média móvel de 971 mortes relacionadas à Covid-19, o maior número em um único dia desde o início da pandemia em março de 2020.

 

Continua após a publicidade

Publicidade