Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rio registra a primeira morte por dengue em 2012

Criança morreu no hospital Rocha Faria na primeira quinzena de fevereiro

A cidade do Rio teve o seu primeiro morto pela dengue este ano. O óbito foi registrado na primeira quinzena de fevereiro, no hospital estadual Rocha Faria, em Campo Grande, na zona oeste. O infectado era uma criança que morava em Guaratiba e deu entrada na unidade de saúde em busca de tratamento. No município, foram notificados 9.640 casos de dengue em 2012. Na semana do dia 26 de fevereiro ao dia 3 de março foram registrados 169 casos.A última morte ocorrera em agosto de 2011.

Em entrevista coletiva para apresentar os novos dados sobre a dengue, o secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, destacou que, apesar do óbito, o número de contaminados é menor na comparação com o mesmo período de 2011. “O ideal é que não houvesse morte em decorrência da doença, e nossos esforços são justamente para evitá-las. Ao analisarmos 2008, por exemplo, já haviam sido contabilizados 49 óbitos até fevereiro. Isso mostra que os esforços da prefeitura avançaram na assistência e na prevenção”, argumentou.

No estado do Rio, foram notificados 15.146 casos suspeitos de dengue. Segundo balanço da secretaria estadual de Saúde, o grau de letalidade da dengue está em 3%. Circulam pelo Rio de Janeiro os tipos 1 e 4 da dengue. O sorotipo 1 está presente nas cidades de Itaboraí, Mesquita, Nova Iguaçu, Rio e Valença. O tipo 4 está em Belford Roxo, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu e Rio. Ainda não se tem informação sobre qual dos dois sorotipos causou a morte da criança.

No dia 1º de março, o secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, esteve no Rio para divulgar um balanço sobre a dengue no Brasil. A conclusão foi de que houve uma redução de 66% no total de casos durante o período do dia 1º de janeiro a 18 de fevereiro de 2012. Em números absolutos, passou de 166.016 ocorrências nos 50 primeiros dias do ano passado para 57.267 casos em 2012. “Temos que olhar os números com muito cuidado. O pico da dengue ocorre em março e abril. Está começando o período em que ocorrem mais casos”, reforçou Barbosa durante o encontro.

O secretário afirmou ainda que a capital fluminense recebe atenção constante do Ministério da Saúde por ser a principal porta de entrada da dengue. Os fatores que possibilitam isso são o clima tropical e a chegada constante de turistas.

LEIA TAMBÉM:

Brasil reduz dengue, mas risco de epidemia persiste

Brasil enfrenta risco de epidemia nacional de dengue, alerta especialista

Conter o avanço da dengue 4 é impossível, diz especialista

Dengue tipo 4 chega ao Rio e traz risco de contaminação à população no Sudeste