Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rio confirma mais 4 mortes – total no país vai a 29. Governo distribui remédio

O total de mortes por causa da gripe suína no Brasil já chega a 29. Na noite desta quarta-feira, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro cofirmou quatro novas vítimas fatais da doença no estado, todas na capital. Com isso, o total de mortos pela gripe no Rio subiu para cinco. Mais cedo, foi a vez da Secretaria de Saúde de São Paulo confirmar que o estado já tem 12 vítimas fatais da doença. O mais novo caso é o de um menino de 1 ano e 6 meses que morreu no dia 18 de julho, na região do ABC Paulista. Mais cedo, as prefeituras de Valinhos e Itapetininga haviam divulgado outras duas mortes pela doença.

No Rio, as vítimas são um menino de 10 anos de idade, outro de 6, além de uma gestante de 29 anos e uma mulher de 39. No site da secretaria há poucas informações sobre as vítimas. O órgão informa apenas que a criança de 10 anos apresentava fator de risco, mas não especifica qual, e que o menino morreu em 14 de julho. Já o menino de 6 anos morreu no dia 15. A gestante apresentou quadro de pneumonia e morreu em 17 de julho. A mulher de 39 anos morreu no último dia 19.

A vítima de Valinhos era uma mulher de 27 anos que começou a apresentar os sintomas da doença no dia 14, foi internada na Unidade de Terapia Intensiva no dia 17 e morreu dois dias depois. A prefeitura informou que a mulher não viajou ao exterior ou teve contato com outros infectados, o que indica que a transmissão ocorreu na cidade. Já o paciente de Itapetininga era um homem de 26 anos natural de São Paulo que viajava para Sarapuí, a 150 quilômetros da capital, quando apresentou os sintomas da doença. Ele foi internado num hospital de Itapetininga e morreu no último sábado.

Vacina – Também nesta quarta, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse, em entrevista à TV Globo, que a vacina que está sendo testada na Austrália contra gripe suína é para ser usada no inverno do Hemisfério Norte – no Brasil, de acordo com ele, a vacina só será usada no inverno de 2010. “Por isso nós ainda temos um tempo”, afirmou Temporão. Segundo ele, o Instituto Butantan de São Paulo, que tem parcerias no exterior, inclusive com um laboratório na França, será uma das instituições que produzirão a nova vacina no país.

O ministro tentou, mais uma vez, tranquilizar a população, ao afirmar que a gripe suína tem características “extremamente semelhantes” às da gripe comum, como sintomas, evolução clínica, letalidade e tratamento. “Um dado importante para a população saber: em julho do ano passado, morreram no Brasil, de complicações da gripe comum, 4.500 pessoas”, lembrou ele. Segundo Temporão, a gripe suína deve ser tratada, inicialmente, da mesma maneira que a gripe comum.

Temporão disse que, além de crianças pequenas e idosos, integram o grupo de risco mulheres grávidas, cidadãos com doenças crônicas e pessoas que se tratam de doenças que podem baixar a imunidade, como transplante de órgãos e aids. O ministro afirmou que o medicamento específico para tratar os casos mais graves da doença não está sendo vendido nas farmácias para evitar a automedicação e uma possível resistência do vírus ao remédio.

“Nós temos neste momento 9 milhões de tratamentos na Fundação Osvaldo Cruz, em matéria prima, que está sendo encapsulada. Nas próximas semanas vamos receber mais 150.000 tratamentos. E na terça, o laboratório produtor mandou para Brasília mais 50.000 tratamentos”.

Tratamento – Os tratamentos a que se referiu o ministro já começaram a ser distribuídos pelos estados em que a situação está mais delicada: Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas e Rio de Janeiro. Na tarde desta quarta, a Secretaria de Saúde gaúcha recebeu 15.000 tratamentos. Pelos próximos dois dias, os três estados restantes deverão receber outros 15.000 tratamentos – 5.000 cada um. Ainda nesta quarta deverão ser enviados insumos para a Bahia, de acordo com o ministério da Saúde. Cada um dos tratamentos é composto por dez comprimidos de fosfato de osetalmivir, quantidade indicada para uma pessoa. O ministério afirmou ainda que uma segunda leva dos remédios, mais 50.000, será entregue até o dia 15 de agosto. Outros 750.000 tratamentos chegarão até o dia 30 de setembro.

O primeiro lote será distribuído aos 68 hospitais de referência de todo o país para o atendimento aos pacientes com a nova gripe. De acordo com informações do governo o total de remédios deve superar o número de casos graves.

(Com Agência Estado)