Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Remédio para incontinência urinária pode ajudar a emagrecer

Mirabegron, vendido nos Estados Unidos, estimula a gordura marrom a consumir mais glicose e a queimar mais calorias

Por Da Redação
6 jan 2015, 16h21

Pesquisadores americanos descobriram que uma droga vendida nos Estados Unidos para tratamento de bexiga hiperativa, uma disfunção da incontinência urinária, pode ajudar a emagrecer. O medicamento mirabegron aumenta o metabolismo da gordura marrom, responsável por gerar calor no organismo. O estudo foi divulgado nesta terça-feira no periódico Cell Metabolism.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Activation of Human Brown Adipose Tissue by a β3-Adrenergic Receptor Agonist

Onde foi divulgada: periódico Cell Metabolism.

Quem fez: Aaron M. Cypess, Lauren S. Weiner, Carla Roberts-Toler, Elisa Franquet Elía, Skyler H. Kessler, Peter A. Kahn, Jeffrey English e colegas.

Instituição: Centro de Diabetes Joslin, afiliado à Faculdade de Medicina Harvard, nos Estados Unidos​, entre outros.

Continua após a publicidade

Resultado: O medicamento mirabegron, utilizado para tratar bexiga hiperativa, aumenta a atividade da gordura marrom e, assim, ajuda a queimar calorias.

Ao contrário da gordura branca, que tem a função de estocar energia, a gordura marrom é responsável em gastar calorias para gerar calor e, assim, auxiliar o corpo a manter sua temperatura estável. Por fazer o organismo queimar mais calorias, o tecido adiposo marrom costuma ser associado ao emagrecimento.

Estudo – Participaram da pesquisa doze homens que tomaram 200 miligramas de mirabegron. Em todos os voluntários, o metabolismo da gordura marrom aumentou, elevando o gasto calórico em repouso em 203 calorias.

Leia também:

Emagrecer rapidamente não prejudica manutenção do peso, diz estudo

Continua após a publicidade

Para emagrecer, é melhor evitar carboidrato do que gordura

“O mirabegron estimula o tecido adiposo marrom a consumir mais glicose e a queimar mais calorias”, diz Aaron Cypess, coautor do estudo e pesquisador do Centro de Diabetes Joslin, afiliado à Faculdade de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos.

De acordo com Cypess, até então o único jeito de ativar o funcionamento da gordura marrom era pela exposição ao frio. “Essa proposta apresentava resultados inexpressivos e variava muito de pessoa para pessoa”, afirma. Além disso, o efeito passava rapidamente depois que a condição de frio era removida.

(Da redação de VEJA.com)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.