Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Quer saber se vai passar dos 70 anos? Olhe para seus pais

Trata-se de matemática: se um dos pais viveu até os 70 anos, a chance de o filho chegar a essa idade aumenta em 17% -- o efeito é cumulativo

Por Da redação
16 ago 2016, 17h11

A sua longevidade está muito mais relacionada ao tempo de vida de seus pais do que se pode imaginar. É o que indica um estudo publicado recentemente no periódico científico Journal of the American College of Cardiology. De acordo com a pesquisa, a maior já realizada sobre o assunto até então, pessoas cujos pais viveram até os 70 anos ou mais têm maior probabilidade de não desenvolver problemas cardíacos e cânceres quando chegarem à terceira idade. E, portanto, atingirão a mesma faixa etária.  

Para chegar à conclusão, pesquisadores analisaram dados de cerca de 186.000 adultos com idade entre 55 e 73 anos, acompanhados ao longo de oito anos. Durante o estudo, os participantes relataram o tempo de vida dos pais as doenças sofridas por eles.

Os resultados mostraram que se um dos pais viveu até os 70 anos, a chance de o filho chegar a essa idade aumenta 17% — e esse efeito é cumulativo. Ou seja, se o pai ou a mãe viveu até o 100 anos, por exemplo, a probabilidade de o filho chegar pelo menos aos 70 anos sobe para 68%. Além disso, para cada década vivida além dos 70 anos, o risco de o filho desenvolver câncer caiu 7% e doenças cardíacas, 20%.  

Leia também:
Fazer exercícios retarda o envelhecimento — a explicação está nas células
Coração saudável é antídoto a envelhecimento da mente

Os que têm pais longevos sofrem menos de problemas, como derrame, hipertensão , colesterol alto e fibrilação atrial. Os resultados permaneceram mesmo após serem considerados fatores como tabagismo, consumo de alto, sedentarismo e obesidade.

Continua após a publicidade

“Esse é o maior estudo a mostrar o impacto do tempo de vida dos pais na longevidade dos filhos. Nossos resultados são úteis também para pesquisas futuras, nos ajudará a prever a probabilidade de identificar e tratar pacientes a partir desse tipo de risco”, disse Janice Atkins, pesquisadora da Universidade de Exeter, no Reino Unido, e principal autora do estudo.

George Kuchel, coautor do estudo e pesquisador do Centro de Envelhecimento da Universidade de Connecticut, ressalta que o envelhecimento em si já é um fator de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas, como as cardíacas, e essas descobertas destacam a importância do papel dos nossos pais no desenvolvimento dessas condições. “Conforme vamos entendendo melhor esses fatores, mais podemos ajudar a pessoas a envelhecerem bem”, destaca.

A mesma equipe de pesquisadores já havia publicado outro estudo no início deste ano, no periódico científico Aging, mostrando que a prole de pais que viveram bastante tinha maior probabilidade de ser portadora de genes que protegem contra diversas condições como hipertensão, sobrepeso, obesidade e diabetes tipo 1.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.