Clique e assine com 88% de desconto

Quanto maior a potência muscular, menor o risco de desenvolver Alzheimer

Por Da Redação - 10 nov 2009, 10h51

As pessoas que envelhecem e mantém músculos mais fortes têm menos chance de desenvolver Alzheimer, apontou um estudo do Centro da Doença de Alzheimer de Chicago (EUA).

A pesquisadora Patricia Boyle e sua equipe constataram que, quanto maior a força muscular do paciente, menor a probabilidade da doença ser diagnosticada ou do paciente vir a ter perda das funções mentais, que geralmente precede o Alzheimer.

“Estes resultados mostram a relação entre saúde física e cognição no envelhecimento e a importância da manutenção de exercícios”, disse Patricia.

O estudo foi feito com 970 homens e mulheres, de 54 a 100 anos, que tiveram medida a força de grupos musculares dos braços e das pernas. Ao longo de quatro anos, 138 pessoas desenvolveram Alzheimer, todas classificadas como as mais fracas do grupo.

Publicidade

Os pesquisadores observaram que nas pessoas que tinham 10% a mais de força muscular a probabilidade de ter a doença era 61% menor do que nos demais. Dentre os pacientes denominados mais fortes, o declínio das habilidades mentais também ocorria em um ritmo muito mais lento.

“A explicação mais provável para a relação entre a função mental e a força muscular é que alguma coisa acontece no corpo que influencia tanto a fraqueza muscular quanto a perda da capacidade mental”, explicou a pesquisadora.

Por isso, de acordo com ela, é importante se manter fisicamente ativo com o passar dos anos, e trabalhar para manter os músculos fortes. “Boa saúde física é importante para o bom funcionamento do cérebro”, enfatizou.

Publicidade