Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Procrastinar também causa insônia

Um novo estudo descobriu que pessoas que tendem a deixar tarefas e responsabilidades para depois também têm mais dificuldade para dormir

Por Da redação - Atualizado em 16 jun 2016, 16h14 - Publicado em 16 jun 2016, 16h13

Procrastinadores – aqueles que adiam as responsabilidades do cotidiano – também tendem a ter mais problemas para dormir. De acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Academic College de Tel Aviv, em Israel, que será publicado na edição de outubro da revista científica Personality and Individual Differences, a insônia pode ser um resultado da procrastinação.

Segundo informações do site especializado Live Science, participaram do estudo 598 pessoas que completaram questionários online sobre suas tendências para procrastinar, problemas para dormir e estado emocional. Os questionários também avaliaram se os participantes tinham hábitos diurnos ou noturnos, ou seja, se eles tendiam a ir para a cama cedo e acordar cedo ou ir para a cama tarde e levantar tarde.

Os resultados mostraram que aqueles que procrastinam também relataram mais problemas para dormir, em comparação com pessoas que não deixam tarefas para depois. Além disso, pessoas com hábitos diurnos – que dormem e acordam cedo – procrastinam menos e têm menos problemas de sono, em comparação com aqueles que têm hábitos noturnos.

Embora não possam afirmar, uma das possíveis explicações para a associação, segundo os autores, é que as pessoas que procrastinam ficam pensando, antes de dormir, nas tarefas que deveriam ter feito, mas não fizeram. Isso, por sua vez, atrapalha o sono. “Os resultados mostram que problemas de sono podem ser um resultado importante e negligenciado da procrastinação”, disseram os autores.

Publicidade

Leia também:
Insônia danifica região do cérebro ligada à emoção
Oito maneiras de combater a insônia

Ainda de acordo com os pesquisadores, a conclusão de que pessoas com hábitos noturnos tendem a procrastinar mais do que as de hábito diurno não é novidade pois já havia aparecido em outros estudos. Mas, neste caso, eles foram além e descobriram associações entre as preferências de sono e a personalidade das pessoas. Por exemplo, pessoas diurnas tendem a serem mais conscientes, emocionalmente estáveis e socialmente desejáveis, enquanto as noturnas tendem a ser mais neuróticas e mais propensas a procurar novidades.

Os resultados mostraram também que pessoas da noite são mais propensas a ter problemas de autocontrole, o que, por sua vez, pode gerar dificuldades de planejamento que podem levar à procrastinação. Além disso, é provável que essas pessoas, por terem hábitos noturnos, comecem determinadas tarefas só no final do dia e, em seguida, se sintam mal com este atraso. O que, como em uma reação em cadeia, pode levá-las a adiar ainda mais a finalização das tarefas.

Apesar das evidências, os autores ressaltam que o novo estudo não prova que a procrastinação provoca insônia. Pode ser que o perfeccionismo seja a base dessa associação ou a procrastinação pode ser um resultado da insônia – já que a falta de sono prejudica o funcionamento de uma pessoa.

Publicidade