Clique e assine com até 92% de desconto

Prefeitura adia Carnaval 2021 em São Paulo devido à pandemia

Grandes eventos agendados para este ano, como a Parada LGBTQI+, a Marcha para Jesus e a Fórmula 1, foram cancelados pelos próprios organizadores

Por Da redação Atualizado em 24 jul 2020, 19h46 - Publicado em 24 jul 2020, 13h33

Nesta sexta-feira, 24, o prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, anunciou o adiamento do Carnaval 2021 devido à pandemia de coronavírus. “Tanto as escolas quanto os blocos entenderam a inviabilidade da organização do Carnaval para fevereiro do ano que vem”, disse Covas durante coletiva de imprensa. Ele já havia falado sobre o cancelamento do Réveillon na Avenida Paulista.

Ainda não há uma data definida para a realização do evento, mas, segundo Covas, será a partir de maio de 2021. “Dificilmente ocorrerá em junho porque coincide com os festivais de São João, no Nordeste. Mas nós estamos agora definindo ou final de maio ou começo de julho para a realização do Carnaval na cidade de São Paulo”, disse o prefeito.

ASSINE VEJA

Os ‘cancelados’ nas redes sociais Leia nesta edição: os perigos do tribunal virtual. E mais: nova pesquisa sobre as eleições presidenciais de 2022
Clique e Assine

Outros grandes eventos que seriam realizados na cidade ainda este ano, como a Marcha Para Jesus, a Parada LGBTQI+ e a Fórmula 1 foram cancelados pelos próprios organizadores.

LEIA TAMBÉM: Afinal, como o coronavírus é transmitido?

Nova fase do Plano São Paulo

O governador João Doria anunciou nesta sexta-feira, 24, o início de uma nova fase do Plano São Paulo a partir de segunda-feira, 27. As regiões de Campinas, Araraquara e Araçatuba melhoraram os índices de ocupação de UTIs e conseguiram evoluir para fases menos restritivas. Segundo Doria, essa é a primeira vez desde o início da flexibilização, em junho, que nenhuma região regride para uma fase mais restritiva.

O estado de São Paulo tem 463.218 casos e 21.206 mortes por Covid-19. A taxa de ocupação de UTIs no estado é de 66% e na Grande São Paulo, de 63%.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade